Como se proteger da epidemia de sífilis no Brasil.

13/02/2020

O Ministério da Saúde admitiu nesta semana que o Brasil enfrenta uma epidemia de sífilis. Entre junho de 2010 e 2016 foram notificados quase 230 mil casos novos da doença, de acordo com o último boletim epidemiológico do governo.

Três em cada cinco ocorrências (62,1%) estavam no Sudeste e a transmissão de gestantes para bebês é atualmente o principal problema.

A situação foi qualificada como "epidemia" somente agora, mas vem se desenvolvendo há mais tempo.

Em 2015, por exemplo, no país todo, foram notificados 65,878 casos. A maioria desses ocorreu na região Sudeste (56,2%) e afetou pessoas na faixa etária dos 20 aos 39 anos (55%), que se auto-declaram da raça branca (40,1%).

A sífilis é uma doença sexualmente transmissível e curável causada pela Treponema pallidum . A via de transmissão da sífilis é quase sempre por contato sexual , embora haja exemplos de sífilis congênita por transmissão de mãe para filho no útero . Os sinais e sintomas da sífilis são numerosos; antes do advento do teste sorológico , o diagnóstico preciso era muito difícil. 

Existe a suspeita de que os aplicativos que promovem encontros sexuais, como o Tinder e o Grindr (voltado para o público gay), possam dar sua contribuição na disseminação das doenças de antigamente. "As pessoas parecem que se previnem menos quando utilizam esses aplicativos". 

 É por isso que as campanhas de prevenção devem focar nas novas formas de exercer a sexualidade, dando abertura para que as pessoas possam discutir abertamente com seus médicos seus comportamentos e as melhores formas de se prevenir.

 "As pessoas têm um número maior de parceiros sexuais hoje, e não usam proteção".