Foi registrado a temperatura mais baixa do ano na cidade de SP neste sábado; termômetros marcam 8,2ºC

22/08/2020

Medição foi realizada às 9h no Mirante de Santana, na Zona Norte. Passagem de frente fria derrubou temperaturas.

Por G1 SP - São Paulo

22/08/2020 10h28 Atualizado há uma hora

Vista aérea da cidade de São Paulo neste sábado - 


A cidade de São Paulo registrou a temperatura mais baixa no ano na manhã deste sábado (22). De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os termômetros registraram 8,2ºC na estação meteorológica do Mirante de Santana, na Zona Norte da capital paulista, às 9h.

Uma moradora sem-teto foi encontrada morta nesta manhã na Praça da Sé, no Centro de São Paulo. De acordo com a Secretaria de Segurança Urbana, a suspeita é de que a mulher tenha morrido por conta do frio intenso. O corpo da vítima foi encontrado por volta das 8h30 em um barraco improvisado.

Na tarde desta sexta (21), o Inmet registrou 9,3°C de temperatura às 15h, a segunda menor temperatura em 60 anos para um mês de agosto. Antes disso, a temperatura mais baixa do ano tinha sido em 29 de maio, quando os termômetros marcaram 9,6ºC.

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), da Prefeitura de São Paulo, a frente fria se afasta do Litoral Paulista, mas os ventos úmidos que sopram do oceano ainda causam nebulosidade e chuviscos nos próximos dias. A forte massa de ar polar passa a predominar sobre o estado de São Paulo, causando frio intenso principalmente durante as madrugadas.


O sábado terá muita nebulosidade, com chuvas fracas e chuviscos, que tendem a diminuir no decorrer do dia. A sensação ainda deve ser de muito frio, com temperaturas variando entre mínimas de 8°C e máximas de 14°C.

No domingo (23) a chuva diminui e o sol aparece entre nuvens no decorrer do dia. Mesmo assim a sensação de frio segue intensa com temperaturas varia entre 9ºC e 16ºC.

Nesta semana, uma pergunta que viralizou nas redes sociais: vai nevar em São Paulo? A resposta, segundo os meteorologistas, é não. Mas pode haver forte geada no Sul do estado, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) (veja abaixo).


Acolhimento

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) informou que acolheu 150 pessoas que vivem nas ruas de São Paulo nesta madrugada. Outras 82 pessoas recusaram ir para um abrigo da prefeitura. Foram distribuídos 182 cobertores.

Neve ou geada?

Sobre a possibilidade de nevar em São Paulo, a meteorologista da Climatempo é categórica. "Não, neve não. Vai esfriar muito, mas não há expectativa nenhuma de neve em São Paulo. Não há chance alguma de neve em São Paulo."

Pelo país

Segundo o Inmet, a presença de intensa massa de ar frio pode causar geada no sábado de forma mais generalizada no oeste do estados da Região Sul e também no sul do Mato do Grosso do Sul e Sudoeste de São Paulo.

Já nevou em São Paulo?

De acordo com o Climatempo, em 25 de junho de 1918, José Nunes Belford Mattos, considerado um dos pioneiros da meteorologia no país, registrou neve em sua caderneta de observações. À época, a estação meteorológica ficava na Avenida Paulista, um dos pontos mais altos da cidade, que ainda era rodeada pela Mata Atlântica.

Segundo as anotações de Mattos, a cidade estava coberta por uma forte neblina quando "nevou" e em seguida o tempo abriu rapidamente.

De acordo com Josélia, o que deve ter ocorrido "foi a sublimação do nevoeiro, quando a água passa direto do estado gasoso para o sólido. Com isso se formam cristais de gelo, praticamente uma 'poeira de neve' como a que vemos em geladeiras antigas. Como a quantidade de água é pequena a condensação consome todo o vapor d'água em poucos minutos e o céu fica bem azul."

Naquela época, "os termômetros marcavam -3°C a dois metros do solo e no chão certamente a temperatura era bem menor. Como estava muito frio, este gelinho não derreteu ao tocar o solo criando uma camada branca e dando um aspecto europeu à cidade. O fenômeno durou pouco, o gelo não resistiu ao sol da manhã", afirma Pegorim.

Para os meteorologistas, a neve "é uma precipitação e como a chuva ela se forma dentro de uma nuvem e cai. No dia 25 de junho de 1918 não houve registro de nebulosidade e por isso este gelo não pode ser qualificado como neve, um argumento técnico que não afetou em nada o encantamento dos moradores da cidade um século atrás."