*

21/03/2020

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até 7h40 deste domingo (22), 1.226 casos confirmados de novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil em 26 estados e no Distrito Federal. São 18 mortes no Brasil, três no Rio de Janeiro e 15 em São Paulo.

MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos

O Ministério da Saúde atualizou os números na tarde deste sábado (21), informando que o Brasil tem um total de 1.128 casos confirmados de coronavírus e 18 mortes.

Roraima registrou os dois primeiros casos na noite deste sábado, último estado a ter casos confirmados no país.

Neste domingo (22), a Bahia notificou mais nove casos, enquanto o Pará teve um aumento de dois casos.

No Amazonas, o número de casos confirmados saltou de 11 para 26.

Casos de coronavírus no Brasil

1º caso confirmado em 26 de fevereiro, e 1º morto em 17 de março; os dois eram do estado de SP

Transmissão comunitária

O Ministério da Saúde declarou que todo o território nacional está sob o status de transmissão comunitária do coronavírus Sars-Cov-2, responsável pela pandemia da doença Covid-19. O status foi publicado em portaria na noite desta sexta-feira (20).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já tinha anunciado nesta tarde que a medida seria tomada em breve para facilitar ações do governo. O ministro sinalizou também que a previsão é que os casos da doença disparem em abril e o sistema de saúde deve entrar em colapso.

A transmissão comunitária ou sustentada é aquela quando não é possível rastrear qual a origem da infecção, indicando que o vírus circula entre pessoas que não viajaram ou tiveram contato com quem esteve no exterior.

Lavar as mãos com água e sabão é a melhor maneira para prevenir o coronavírus 


"Estamos adquirindo um volume de testes significativo para que, na próxima semana, daqui a 8 dias, tenhamos 5 milhões de testes rápidos para distribuição em todo o Brasil, para iniciarmos a realização (de testes) em casos leves", disse o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

"Vai aumentar muito a velocidade de diagnóstico em todo o Brasil", completou. Até então, somente pacientes com sintomas graves eram testados.

Os novos 5 milhões de testes serão priorizados para profissionais de saúde e unidades básicas de saúde, disse o secretário.

Segundo Oliveira, nas próximas semanas, deve-se chegar a 10 milhões de testes entregues.

"Vamos, muito em breve, implantar uma estratégia similar ao que a Coreia (do Sul) realizou lá, usando um 'drive thru' de testes em alguns centros, para aumentar a detecção a partir da testagem rápida, evitando que as pessoas tenham que ir a uma unidade de saúde", detalhou.