China ao novo coronavírus e os impactos na economia global.

27/02/2020

Os números de mortos e de casos confirmados não param de crescer, principalmente na China, mas também em outros países. No Brasil, há três casos suspeitos. E a economia global já sente as consequências. Para explicá-las, Renata Lo Prete conversa com Roberto Dumas, professor de economia chinesa no Insper. Ela entrevista também o correspondente Carlos Gil, que atualiza a situação na China.

Por Renata Lo Prete

29/01/2020 01h24 Atualizado há 4 semanas

________________________________________

A propagação do novo coronavírus segue em ritmo acelerado. Além da Ásia, América do Norte e Europa já têm casos confirmados e aqui, no Brasil, o Ministério da Saúde anunciou três pacientes sob suspeita de contaminação.

Na China, epicentro da crise, a situação se agrava: o número de infectados é superior a 4.500 casos e o de mortos, já passa de 130. O governo chinês restringiu os acessos de entrada e saída de Wuhan, cidade onde o vírus surgiu em humanos, e de toda província de Hubei, mas reconhece, que antes da medida, mais de 5 milhões de chineses já tinham deixado a região.

A epidemia chinesa ligou o sinal de alerta em economias de todo o mundo. Os preços das commodities caíram e as mais importantes bolsas de valores começaram a semana em queda acentuada. E o quadro pode se agravar.