Velocidade de trem estava além da permitida em Cubatão, diz sindicato

Velocidade de trem estava além da permitida em Cubatão, diz sindicato

Limpeza ainda está sendo feita nesta segunda-feira (3).


Apenas uma faixa da avenida, sentido Cubatão, permanece interditada. 
O trem que colidiu com outro trem que estava parado em Cubatão (SP), na última sexta-feira (31), estava acima de velocidade permitida no trecho, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana. Apenas uma faixa da avenida Tancredo Neves, sentido Cubatão, onde ocorreu a colisão dos dois trens, permanece interditada nesta segunda-feira (3).

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana, a entrada do trem foi autorizada em uma velocidade de 25 km/h, já que havia outra composição parada no local. O Sindicato explica que já foi constatado que o trem estava acima da velocidade permitida na hora do acidente. "A colisão ferroviária é muito grande. Mesmo que estivesse a 20, 25, 30 km/h, o estrago seria grande do mesmo jeito", falou Rogerio Pinto dos Santos, diretor do sindicato.

Segundo a MRS, responsável pelo trecho ferroviário, o tráfego de trens já foi liberado, mas o trânsito ainda não está totalmente normalizado, por medidas de segurança. Muitos trabalhadores ao redor estão fazendo a limpeza da Avenida Tancredo Neves.

Profissionais especializados em acidentes de várias partes do País estão desde a noite de sexta-feira trabalhando na área da colisão. Tendas foram montadas para dar suporte às equipes.

Em nota, a ALL, responsável pelos trens, informa que cinco vagões foram afetados e que está apoiando a MRS Logística, concessionária que administra o tráfego no trecho, para averiguar as causas da ocorrência e tomar as providências necessárias no local o quanto antes. A responsável pelo trecho esclarece que uma análise inicial dos registros de sinalização e de comunicação no trecho indicou que não houve qualquer anomalia no sistema de controle de tráfego ou na via férrea. A empresa seguirá investigando as causas do acidente.

A ALL também afirma que cumpre rigorosamente a legislação trabalhista vigente, e que as jornadas de trabalho de ambos os maquinistas envolvidos na ocorrência estavam de acordo com as normas regulamentares. A empresa acrescenta, ainda, que realiza manutenções periódicas em suas locomotivas e vagões, garantindo condições adequadas de circulação dos ativos.

Acidente

A colisão entre dois trens carregados de milho aconteceu por volta das 7h45 desta sexta-feira e causou o derramamento de milho na pista e na linha férrea, além de óleo diesel que atingiu o sistema de drenagem de águas pluvais de Cubatão. Uma das composições saiu do trilho e colidiu com uma outra que estava parada. Um maquinista foi encaminhado em estado de choque para o Pronto Socorro da cidade e não corre risco de morte.

Com o forte impacto da batida, um dos vagões acabou indo parar no meio da rua e atingiu um veículo de passeio que passava pelo local. Já outro carro foi acertado pelos fios da rede elétrica que caíram após a colisão.

Houve vazamento de cerca de 8 mil litros de óleo diesel, causado por um rompimento no tanque de combustível de uma das locomotivas. O óleo atingiu o sistema de drenagem de águas pluviais da Avenida Tancredo Neves, responsável por recolher a água da chuva e levá-la para uma galeria subterrânea. A ALL acionou caminhões para para fazer a remoção desse óleo diesel, para evitar a contaminação outras partes das galerias e rios e também um incêndio ou explosão.

Os dois lados da avenida foram interditados após o acidente. Agentes da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) confirmaram que pelo menos 2 mil usuários do bairro ficaram sem energia elétrica às 14h.



Fonte: G1 - 03/11/2014