Transportadores de carga se reúnem para discutir prejuízos no setor em MS

Transportadores de carga se reúnem para discutir prejuízos no setor em MS

O Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul (Setlog-MS) promove em sua sede em Campo Grande, na próxima segunda-feira (23), às 14 horas, uma reunião geral com todos os associados para discutir uma série de situações que estão acarretando prejuízos ao setor.

Segundo o Setlog-MS, serão discutidos no evento assuntos como as paralisações que vem ocorrendo no setor de transportes em outros estados, aumento no preço do óleo diesel, preço atual do frente e a portaria do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS), que estabelece obrigatoriedade na vistoria para veículos com mais de cinco anos.

O presidente do Setlog-MS, Cláudio Cavol, disse ao Agrodebate que a partir dessa reunião deverá ser elaborado um documento com uma pauta de reivindicações da categoria, que será discutida com órgãos e entidades competentes e também serão definidas algumas ações que serão promovidas pelo sindicato.

Cavol comentou ainda que vários associados ao sindicato estão cobrando da entidade uma manifestação mais contundente em relação as situações que estão ocasionando prejuízos ao setor, com a realização, por exemplo, de paralisações, como que as que vêm ocorrendo em Mato Grosso.

“O sindicato inicialmente é contra as paralisações, mas se a maioria dos associados entender que é uma medida que devemos tomar, então vamos adotá-la”, explicou.

O presidente do Setlog-MS também adiantou que na próxima quinta-feira (26) tem uma audiência agendada com o governador Reinaldo Azambuja para discutir dois itens que serão debatidos na assembleia do dia 23 entre a categoria, o pedido de redução do Imposto sobre a circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o diesel e a revisão da portaria do Detran-MS sobre a vistoria a veículos com mais de cinco anos.

De acordo com o Setlog-MS, o setor de transportes de cargas e logística reúne aproximadamente 1.600 empresas no estado, gerando entre 50 mil e 70 mil empregos diretos e pelo menos 100 mil indiretos.



Fonte: Anderson Viegas/Agrodebate - 20/02/2015