Trabalhadores dos hospitais de Criciúma rejeitam 1% de reajuste

Trabalhadores dos hospitais de Criciúma rejeitam 1% de reajuste

Na primeira rodada de negociação do Acordo Coletivo dos mais de quatro mil trabalhadores dos 16 hospitais da região de Criciúma e vale do Araranguá realizada nesta sexta-feira no hospital São José não houve acordo.

O Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde de Criciúma e região (Sindisaúde) rejeitou as propostas de 1% de aumento real pagos a partir de janeiro, o índice do Piso Estadual de Salários a ser aprovado pelos deputados para o Piso Salarial, 40% de insalubridade para o setor de higienização (previsto em lei) e a antecipação de 2% de qüinqüênio quando o empregado completar dois anos na função e 3% ao completar cinco anos na empresa oferecidos pelo sindicato patronal para os hospitais maiores. As instituições de Içara, Praia Grande e Jacinto Machado farão reuniões separadas para negociar as cláusulas ainda sem data marcada.

Assembleia com a categoria para votação da proposta acontece dia 13 de novembro, às 19 horas, na sede provisória do sindicato em Criciúma. Para o presidente do Sindisaúde, Cleber Ricardo Cândido, as propostas serão discutidas na assembleia “mas na nossa avaliação não serão aceitas por estarem muitos distantes das necessidades e reivindicações dos trabalhadores. Se os hospitais não avançarem a categoria poderá deliberar pela paralisação nos próximos dias”, pondera o sindicalista.

Conforme ele os trabalhadores estão cansados e querem ser reconhecidos pelas suas atividades. “Temos dois pontos fortes de luta e anseios dos profissionais: duas folgas na jornada 12 x 36 e uma folga semanal para as 6 horas diárias. Hoje eles trabalham dobrado para pagar a folga,” avalia o sindicalista.

Entre as principais reivindicações dos trabalhadores estão: reajuste de 15%; piso de R$ 1.200,00; vale-alimentação de R$ 250,00; redução da jornada de trabalho; 40% de insalubridade para o setor de higienização, jornada de 6 horas com folga semanal; jornada 12 x 36 com duas folgas semanais; fim do banco de horas, abono anual de R$ 500,00 e triênio de 5% sem congelamento entre outros. A data-base é 1º de novembro.



Fonte: Cyntia Amorim/Engeplus - Colaboração: Maristela Benedet/Comunicação Sindisaúde - 10/11/2014