Trabalhadoras e trabalhadores da Companhia de Sanaemento de Minas Gerais (Copasa)

Categoria dobra resistência da empresa e avança no que era "limite irredutível"
 
Em assembleias realizadas de 3 a 5 de setembro, aprovaram a proposta de renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), apresentada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), após mais de 150 dias de iniciada a Campanha Salarial da categoria, com grandes mobilizações, incluindo a greve.
 
Na avaliação do Sindágua/MG, sindicato que representa a categoria, trabalhadores e trabalhadoras dobraram a resistência da empresa e avançaram no que o patrão tinha colocado como “limite irredutível”. Segundo a entidade, os trabalhadores impediram o arrocho sobre os salários e a retirada de direito na cesta básica (redução do valor).
 
A proposta aprovada é a seguinte:
1) Reajuste de 5,82% (INPC nos salários e dos benefícios);
2) Ganho real de 1% nos salários ou isenção do desconto da cesta básica;
3) Reajuste de 10% sobre o tíquete refeição;
4) Garantia de que nenhum trabalhador receberá menos do que 70% da GDI, ou seja, 11,55%na medição durante seis meses (até fevereiro de 2015);
5) Constituição de comissão com participação de um representante do sindicato, para estudo de revisão da tabela do PCCS, com prazo de 90 dias;
6) Pagamento integral das duas parcelas da Participação nos Lucros (PL) de 2014 em abril de 2015;
7) Pagamento das diferenças retroativas a maio/2014 de uma só vez na folha de setembro/2014.