Sindicalistas do vestuário querem discutir políticas para a reativação da indústria de confecção

Sindicalistas do vestuário querem discutir políticas para a reativação da indústria de confecção

A CSB, Central dos Sindicatos Brasileiros, recebeu dia 11 de março em sua sede em São Paulo os representantes dos   sindicatos filiados   do vestuario de Guarulhos, Barueri, Jundiai, São José dos Campos e Presidente Prudente para debater a situação econômica da indústria de vestuário e a participação dos filiados da central em todos os fóruns de discussão de políticas para   alavancar a indústria de confecção.

Jose Laurindo Portela, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Vestuário de José dos Campos, lembrou que em outubro de 2008 um grupo de sindicatos do vestuario do estado de São Paulo realizou um seminário e aceitou o desafio de lutar pela redução do ICMS para a indústria paulista de confecções de roupas, atendendo a um apelo do presidente do sindicato patronal, diante da negativa do Secretário da Fazenda paulista.

Alvaro Egea, Secretário Geral da CSB, lembrou que os empresários   do patronal estavam pessimistas, pois o secretário da fazenda Mauro Ricardo   em reunião na Fiesp em fevereiro de 2009 com os empresários   havia negado a possibilidade de haver redução do ICMS.

Alvaro também lembrou que Antonio Neto, presidente da CSB, procurou o deputado Barros Munhoz, Presidente da Assembléia Legislativa paulista, que aceitou o desafio de defender a indústria de confecção e   abriu as portas da casa para ação política de convencimento dos líderes de partido.

Fruto da ação política desse grupo de sindicalistas, em parceria com empresários e deputados estaduais, em março de 2010 o Governador Jose Serra assinou o decreto de redução do ICMS de 12 para 7% indústria paulista de confecções de roupas, que foi renovado   nos anos seguintes, concluiu Portela.

No mesmo ano, lembrou Portela, a categoria conquistou a cesta básica na convenção coletiva, coroando uma luta de muitos anos pelo beneficio.

Eliseu de Lima, presidente do Sindicato dos   Trabalhadores do Vestuario de   Jundiai, enfatizou que os trabalhadores querem   conhecer melhor a política de desoneração da folha de pagamento para o setor industrial implementada nos últimos anos pelo Governo Federal.

Será que a redução de impostos para o setor foi acompanhada de investimento em tecnologia, melhoria dos salários e do emprego? perguntou Eliseu.

Alvaro Egea  informou que a central está pleiteando  junto ao Governo  a participação de seus  filiados  nos assuntos ligados a politica industrial para o pais.

Ao final da reunião ficou aprovado  a realização de uma reunião ampliada no mês de abril  para discutir os impactos da desoneração da folha de pagamento na  indústria de confecção, convidando  um técnico do Dieese para fazer uma exposição sobre o tema .



Fonte: Sindvestuario Guarulhos - 16/03/2015