Sem acordo, transporte coletivo de Cascavel volta a ser paralisado

Catracas dos terminais de ônibus de Cascavel amanheceram acorrentadas nesta terça-feira (20). Foto: Cícero Bittencourt/RPC

Os motoristas e cobradores do transporte público de Cascavel, no oeste do Paraná, voltaram a entrar em greve nesta terça-feira (20). Sem acordo com as empresas responsáveis pelo serviço na cidade, a categoria decidiu por uma paralisação total. Desde o início da manhã, nenhum ônibus saiu das garagens, situação que deve se estender até ao menos hoje (21), data de uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR), em Curitiba. Os trabalhadores pedem, entre outros, aumento salarial de 12%.

A decisão contraria a liminar do próprio TRT-PR que determina que 75% dos ônibus devem circular em horários de pico e 55% nos demais horários. Para evitar transtornos maiores aos cerca de 100 mil usuários diários do serviço em Cascavel, a prefeitura está cadastrando interessados em fazer o transporte coletivo alternativo emergencial durante a paralisação. O valor máximo que pode ser cobrado pelo serviço é de R$ 5, contra R$ 2,60 da tarifa de ônibus. A Polícia Militar também reforçou a segurança nos terminais em função da greve.

Na quinta-feira (15), o transporte foi novamente paralisado e as catracas liberadas para os usuários. A greve estava suspensa desde dezembro, depois de a Justiça ordenar a manutenção do serviço nos horários de maior demanda. As negociações continuaram, porém não houve acordo. As empresas oferecem aumento de 7,33% e reajuste no valor da cesta básica, que passaria de R$ 150 para R$ 170, proposta não aceita pelos representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo Urbano de Cascavel (Sinttracovel).

Conforme as empresas responsáveis pelo serviço, o reajuste salarial pedido pelos trabalhadores é inviável e se fosse aceito resultaria em um aumento direto na passagem do transporte público. Sem avanço nas negociações, o valor do reajuste salarial deve ser decidido pela Justiça.

Outras paralisações

Desde novembro os trabalhadores do transporte público de Cascavel vêm paralisando os trabalhos. No dia 28 de novembro, 13 linhas foram prejudicadas com a paralisação dos motoristas dos “micrões” – ônibus menores do que os convencionais, mas que têm capacidade para 70 passageiros. Os “micrões” estão sem circular desde então e os ônibus convencionais foram remanejados para atender as linhas afetadas.

 

Já no dia 23 de dezembro uma nova greve foi iniciada, mas no mesmo dia o sindicato decidiu suspender o protesto em função das festas de fim de ano e da determinação da Justiça.


No dia oito de janeiro, mais uma paralisação afetou os usuários do transporte coletivo. O protesto foi feito em apoio aos funcionários que tiveram os dias de trabalho descontados ou não receberam os salários de dezembro. Na data, os motoristas dos ônibus convencionais pararam no Terminal de Transporte Urbano Sul e houve confusão com os passageiros que aguardavam no local. Equipes da PM tiveram que controlar a situação. No mesmo dia os veículos voltaram a circular.



Fonte: G1 - 21/01/2015