Rodovias administradas pelo DER na Região estão sem base de apoio

Rodovias administradas pelo DER na Região estão sem base de apoio

DANILO SANS
As rodovias do Alto Tietê administradas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) estão desde o último dia 27 de fevereiro sem os serviços da Unidade Básica de Atendimento (UBA), como reboque, ambulância, apoio e inspeção rodoviária. A suspensão ocorreu por causa do fim do contrato com a empresa que realizava os serviços na Região e deve durar, pelo menos, mais 15 dias.

Resultado de imagem para OPERAÇÃO DO DER/SP EM RODOVIAS

O DER afirma que iniciou a concorrência pública para definir os novos prestadores de serviços da UBAs em abril do ano passado. O departamento atribui a demora na conclusão à necessidade de atender a determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que interrompeu os processos licitatórios temporariamente, no ano passado.

 

“Depois de ultrapassada essa fase, foi necessário respeitar todos os prazos e trâmites exigidos pela lei de licitações, principalmente no que tange à análise de pedidos de esclarecimentos e de recursos dos concorrentes”, explica o DER. O departamento espera concluir em 15 dias a homologação da empresa vencedora da concorrência que vai escolher o novo prestador de serviços no Alto Tietê.

Resultado de imagem para OPERAÇÃO DO DER/SP

Entre as rodovias administradas pelo DER em Mogi das Cruzes estão a Mogi-Dutra (SP-88), Mogi-Bertioga (SP-98) e Mogi-Guararema (SP-66).

Em todo o Estado de São Paulo há 57 UBAs, que dispõem de um total de 380 veículos operacionais para o serviço gratuito de atendimento aos usuários do DER. São guinchos leves e pesados, utilizados na remoção de veículos e desobstrução de pista, pick-ups médias e pequenas para a inspeção e intervenção no tráfego, ambulâncias para serviços de resgate e atendimento de primeiros socorros a acidentados, além de veículos de apoio, carretinhas pipas para combate a incêndios e caminhões de apreensão de animais.

Sem assistência
O comerciante Sérgio Di Gregório, de 57 anos, conta que tentou pedir ajuda do DER para o socorro de um caminhão que estava parado na Mogi-Dutra, próximo ao km 42, em uma região sem acostamento. “Eu liguei no 0800 para ver se o pessoal poderia sinalizar o local e evitar que um novo acidente acontecesse, mas fui informado de que estavam sem atendimento”, relata. Um caminhão que seguia na mesma faixa interditada precisou parar, porque não encontrou espaço para desviar. “Faltou pouco para acontecer outro acidente”, pondera.

Insatisfeito com a resposta, o comerciante voltou a ligar e foi informado que os “problemas administrativos” atingiam o Alto Tietê e também outras regiões do Estado. “Em caso de acidente, o DER era o primeiro a chegar para sinalizar a área. Agora fica mais perigoso, porque os motoristas ficam sem auxílio. Se o veículo não tem seguro, fica pior ainda”, avalia.