Rodízio municipal de veículos é suspenso por mais um dia na capital paulista

 

Por iG São Paulo | 21/05/2014 12:30 - Atualizada às 21/05/2014 14:02

Rodízio municipal de veículos para carros e caminhões, das 17h às 20h, foi suspenso após mais um dia de paralisação de ônibus

Assim como ocorreu ontem (20), a Prefeitura de São Paulo suspendeu nesta quarta-feira (21) o rodízio municipal de veículos para carros e caminhões, das 17h às 20h, devido ao protesto de motoristas e cobradores que paralisaram diversas linhas e fecharam a saída de terminais de ônibus. Permanecem valendo as restrições na Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMCC) e a Zona de Máxima Restrição ao Fretamento (ZMRF) estão mantidas.

 

Estação da Sé fica lotada por causa das paralisações dos terminais de ônibus nesta terça-feira (20), em São Paulo. Foto: Futura Press

5/13

A paralisação em parte do serviço de transporte público na capital paulista ocorre desde ontem (20) devido ao protesto de um grupo de motoristas e cobradores contrários à proposta de negociação salarial aprovada em assembleia da categoria no dia 19.

De acordo com a SPTrans, as empresas Sambaíba, Gato Preto e Santa Brígida, que operam na zona norte; Viasul, que atua na região sudeste; e Vip Garagem M'Boi Mirim, da zona sul, estão sem operar. Nenhum ônibus saiu das doze garagens destas cinco empresas pela manhã.

A SPTrans não informou quantos passageiros e nem quantas linhas foram afetadas pela greve, mas há prejuízo nas zonas norte, oeste, leste e sul. Segundo o SP Urbano, sindicato das empresas de ônibus, o impacto da paralisação é menor do que ontem, mas as zonas norte e oeste são mais afetadas.

De acordo com a SPTrans, manifestantes da M'Boi Mirim tentaram bloquear a entrada do Terminal Jardim Ângela, mas não conseguiram e o local continua em funcionamento. Na zona oeste, o Terminal Lapa já amanheceu fechado. Outros dois, o da Capelinha, na zona sul, e o do Parque Dom Pedro, no centro, foram bloqueados por motoristas e cobradores durante a manhã.

Ontem, pelo menos 16 terminais de ônibus dos 28 existentes foram fechados. Muitos passageiros foram para casa a pé, pois vários ônibus ficaram estacionados, sem motoristas, pelas avenidas da cidade. O protesto provocou o maior congestionamento do ano. Por volta das 19h, o congestionamento alcançou 261 quilômetros (km) em São Paulo, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego. A média para o horário costuma ficar entre 105 km e 139 km.