PREFEITURA VAI DESAPROPRIAR GARAGENS DAS VIAÇÕES QUE OPERAM EM SP

01/02/2015 

Objetivo da medida é impedir comercialização e aumentar concorrência.  Nova licitação dos ônibus deve estar concluída no 1º semestre, diz Tatto.

Do G1 São Paulo
Motoristas e cobradores realizam protesto e fecham a garagem da viação de ônibus Gato Preto (Foto: Alex Falcão/ Estadão Conteúdo)Garagens de ônibus serão desapropriadas em SP
(Foto: Arquivo Alex Falcão/ Estadão Conteúdo)

A Prefeitura de São Paulo diz que irá desapropriar as garagens das viações de ônibus da cidade para aumentar a concorrência das licitações do setor. O secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, informou neste domingo (1º) ao G1 que o objetivo da medida é impedir que essas áreas sejam comercializadas e que a posse de um terreno para guardar os ônibus seja decisiva para a participação na concorrência.

“A Prefeitura reserva aquela área, não pode vender e construir um empreendimento, por exemplo. A área fica sendo da Prefeitura eternamente, é um elemento de força”, afirmou. Tatto disse que já na próxima semana o prefeito deve assinar decretos que transformam as garagens em áreas de utilidade pública.


A nova licitação dos ônibus da cidade deve estar concluída no primeiro semestre, de acordo com o secretário. Atualmente, o sistema é operado por um contrato emergencial. São 16 consórcios, formados por empresas e cooperativas, com 15 mil veículos e mais de 1,3 mil linhas.Com a desapropriação, uma empresa que não tem um terreno grande na cidade para guardar os veículos pode também entrar na concorrência, explicou Tatto. A Prefeitura acredita que isso aumentará o número de interessados nas licitações.

Mudanças
O secretário disse que está sendo estudada uma reorganização nas linhas de ônibus. Uma das ideias, ainda em análise, é aumentar o número de assentos e reduzir o de veículos nos corredores, com o uso de mais ônibus articulados.

“Estamos estudando a melhor maneira de organizar o sistema e atender a demanda na cidade. Atualmente, você tem ônibus que anda muito vazio e outro muito cheio”, afirmou Tatto. “O que tem de conceitual é que estamos mudando o jeito de operar na cidade de São Paulo. Vamos criar uma rede específica para cada horário, de madrugada uma rede específica, no domingo outra. O desejo do usuário é diferente em cada período desse.”

Ele explicou que os trajetos das linhas podem mudar aos domingos, por exemplo, e priorizar o transporte para parques e áreas de lazer. “O trajeto de domingo nas linhas não pode ser igual daquele durante a semana”, afirmou. Tatto citou que a Vila Madalena pode ter mudanças no tamanho dos veículos que acessam o bairro. “A Vila Madalena tem ônibus grandes passando dentro, você pode ter só circulares”, disse.

Secretário diz que a nova licitação para 63 km de corredores sai em fevereiro.

 

Paulo Toledo PizaDo G1 São Paulo

Jilmar Tatto visita obras da ciclovia na Paulista (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)Jilmar Tatto visita obras da ciclovia na Paulista (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

O secretário municipal dos Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, afirmou nesta quinta-feira (29) que a nova licitação para a construção 63 km de corredores de ônibus, no valor total de R$ 2 bilhões, será publicada em fevereiro. Tatto esteve nesta manhã na Avenida Paullista para vistoriar a construção dos 4 km de ciclovia.

A licitação dos corredores será em Regime Diferenciado de Contratação (RDC), modelo amplamente usado durante a Copa do Mundo. Como o G1 informou com exclusividade, a ação anterior foi cancelada após o Tribunal de Contas do Município (TCM) apontar falhas no processo de contratação, como falta de recursos orçamentários.

Entre os trechos cancelados estão parte dos corredores que serão construídos na Radial Leste, no eixo Avenida dos Bandeirantes - Avenida Salim Farah Maluf e na perimetral Itaim Paulista - São Mateus. O secretário afirmou esperar que o atraso não afete a previsão de entregar, até o fim de 2016, 150 km de corredores. "Se conseguirmos fazer o processo licitatório no primeiro semestre e não tiver transtorno na obra", afirmou.

Até o momento, a Prefeitura entregou 2 km de corredores. Outros 94 km já foram contratados pela SPObras, e parte deles está em construção. As licitações começaram todas na gestão de Gilberto Kassab (PSD) e foram concluídas na gestão Haddad, e algumas delas têm prazos de conclusão longos, de 36 meses.

Os corredores são estruturas à esquerda, totalmente segregadas do trânsito, como os das avenidas 9 de Julho e Santo Amaro. São diferentes das faixas exclusivas, que ficam à direita e têm presença dos carros para conversões em ruas à direita. As faixas se tornaram uma das principais marcas da gestão Haddad. Em pouco mais de dois anos, a Prefeitura de SP inaugurou 464,6 km.

Tatto aproveitou o evento desta manhã para comparar as obras da Prefeitura com as do governo do estado. "Tenho certeza do seguinte: os corredores do prefeito Fernando Haddad serão entregues antes que o monotrilho do governador Geraldo Alckmin." A construção da Linha 17-Ouro, que em uma primeira fase irá ligar o Aeroporto de Congonhas ao Morumbi, na Zona Sul de São Paulo, enfrenta sucessivos atrasos.

Ciclovia 
O secretário acrescentou que a ciclovia da Paulista deve ficar pronta, como o previsto inicialmente, até junho. "Não vai causar transtornos, porque vai ser necessário estreitar somente 10 cm de cada faixa", disse.

Quando pronta, a via exclusiva de bicicletas terá 4 km e fará conexão com as seguintes ciclovias: Rua Itápolis, Rua Pamplona, Avenida Doutor Arnaldo, Rua Frei Caneca, Haddock Lobo, 13 de Maio, Rafael de Barros e Vergueiro.