PESQUISA COMPROVA QUE MAIORIA DOS PASSAGEIROS NÃO USAM CINTO DE SEGURANÇA NO BANCO DE TRÁS

13/04/2015
A maioria dos passageiros descarta o cinto no banco traseiro Quem não utiliza o acessório de segurança comete uma infração grave que rende multa de R$ 127,69 por passageiro sem cinto Pesquisa recente da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) revelou que 53% dos passageiros não usam cinto de segurança no banco traseiro. O levantamento, feito nas 45 rodovias do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo, mostra ainda que 15% dos passageiros no banco da frente também não usam o cinto e 13% dos motoristas trafegam sem o equipamento.

De 2012 até outubro de 2014, 69,4% dos passageiros de bancos traseiros que morreram em acidentes nas rodovias estavam sem cinto de segurança. As vítimas fatais no banco da frente de passageiro sem cinto chegam a 38,4% e 50,1% dos motoristas. Dados sobre a quantidade de vítimas de acidentes nas rodovias sob concessão que não usavam cinto de segurança apontam para a necessidade de constantes campanhas de conscientização dos motoristas e passageiros.

 Para alertar os motoristas, a Artesp iniciou uma campanha publicitária mostrando as desculpas dos usuários para não utilizar o cinto de segurança no banco de trás. A campanha está sendo veiculada na televisão, nas rádios e na internet. As ações se estenderão até o mês de junho. A campanha também está sendo veiculada no aplicativo de trânsito “Waze”.Além disso, foram instaladas 94 faixas nas rodovias chamando atenção para o uso do cinto e estão sendo distribuídos mais de um milhão de folders nas praças de pedágio. Os painéis eletrônicos de mensagem instalados nas rodovias também estão reforçando a adoção do hábito de usar o cinto. A não utilização do cinto de segurança é considerada infração grave pelo Código de Trânsito Brasileiro (artigo 65), e rende multa de R$ 127,69 por passageiro sem cinto, além de cinco pontos na carteira de habilitação.