Pedágio: ação da PM Rodoviária e concessionárias reduz evasão

Pedágio: ação da PM Rodoviária e concessionárias reduz evasão

Um trabalho desenvolvido desde fe vereiro pela Polícia Militar Rodo viária (PMRv) na Rodovia Anchieta, em parceria com a concessionária Ecovias, tem contribuído para reduzir a evasão de pedágios, principalmente por parte de caminhões. 

Veículos que passam pela cancela automática logo atrás de outro, sem pagar, ou com a placa encoberta, entre outras irregularidades, são identificados por videomonitoramento.

 Com as imagens enviadas em tempo real para os policiais rodoviários, os motoristas infratores são parados, quilômetros à frente, para serem autuados. 

O capitão PM César Hernandes Rossignoli, comandante da 1ª Companhia do 1º Batalhão de Polícia Militar Ro doviária, explica que o km 40 da Via Anchieta, em São Bernardo do Campo, onde a base policial fica instalada, é um local de confluência: “Por aqui passam praticamente todos os caminhões que vão em diredireção ao Porto de Santos”, relata. Nas cabines automáticas do pe dágio, a concessionária instalou câmeras que registram imagens das partes dianteira, traseira e lateral dos veículos.

 Há também um vídeo que registra a passagem pela cancela. Sete quilômetros à frente desse ponto, na base da 1ª Companhia, os policiais são alertados quando há alguma irregularidade e, com as informações sobre todas as características do veículo, podem abordá-lo. O condutor é autuado por evasão de pedágio e, muitas vezes, sancionado também por outras infrações, como manter a placa do veículo ilegível para impedir a sua identificação. Além disso, tem de pagar o valor do pedágio. A evasão é uma infração grave, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, que resulta em multa de R$ 195,23 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação. A ação na Via Anchieta tem sido apresentada como uma das boas iniciativas no esforço para reduzir a eva são de pedágios. A assessoria de imprensa da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) informa que a meta para este ano é, em parceria com a PMRv, reduzir o número de ocorrências, por meio do uso de equipamentos automáticos não metrológicos

Resultado de imagem para observação pelas cameras do pedágio

 – como os que captam as imagens na Anchieta –, combinado à presença física de policiais rodoviários nas praças de pedágio e nos Centros de Controle Operacionais (CCOs) das concessionárias.

Imagem relacionada

 Equipamentos metrológicos são aqueles que indicam um dado técnico, como a velocidade do veículo, como base para eventual auto de infração. Os não metrológicos são, por exemplo, câmeras de monitoramento, que exigem a presença de um policial para registrar a infração no momento da passagem do veículo. Operação – “Aqui, o trabalho não para e fica reforçado entre 5 e 10 horas da manhã, de segunda a sexta-feira, período de pico. São cerca de dez policiais, mais um funcionário da concessionária.

 A média de autuações é de 15 a 20 por dia”, afirma Rossignoli. De acordo com o oficial, nos primeiros 27 dias de operação o número de evasões foi reduzido em 38%, na comparação com o mesmo período do ano passado. Uma operação semelhante à atual foi realizada em 2015, mas havia limitações, segundo o capitão. “A leitura era lenta, as imagens e vídeos não chegavam à base em tempo real e, no período noturno, não ficavam nítidas”, explica.

Resultado de imagem para observação pelas cameras do pedágio

 Ainda assim, houve resultados positivos. “Com o novo sistema, esses problemas foram resolvidos e a operação passou a ser executada durante 24 horas, de forma contínua, em vez de operações esporádicas”, completa. Rossignoli cita o caso de um caminhoneiro que havia colocado por cima da placa dianteira um pedaço de cartolina, cobrindo a identificação, amarrado a um pequeno arame que ele puxava, na cabine, depois de passar pelo pedágio, para deixar novamente a placa visível. Ao ser abordado, negou que as imagens registradas fossem de seu veículo, mas teve de se render ao fato de que apareciam também pequenos amassados existentes na lataria e, principalmente, a placa traseira, que não fora coberta. “A imagem nos dá a certeza absoluta de qual é o veículo evasor”, afirma o capitão.

 Iniciativas – 

O chefe da Seção Operacional do Comando de Policiamento Rodoviário, capitão PM Cláudio Capelari, informa que a instalação, por parte das concessionárias de rodovias, de equipamentos automáticos não metrológicos levou a um aumento do número de autos de infração de evasão de pedágio. 

Resultado de imagem para equipamentos automaticos dos pedágios brasileiros

Em 2014, quando não existiam esses equipamentos, foram lavrados 7.155 autos por evasão nas rodovias sob concessão.

 Em 2015 e 2016, o número saltou para 86.982 e 101.585, respectivamente.

 Somente em janeiro e fevereiro deste ano, houve 44.845 autos desse tipo. “Se for mantida a média desses dois primeiros meses, poderemos chegar ao fim do ano com 277 mil, elevação de 173%”, enfatiza Capelari. 

Outras iniciativas têm sido desenvolvidas pela PMRv, com a Artesp e as concessionárias. Entre as ações imediatas, nas nove praças de pedágios com maior incidência de evasões, têm sido realizadas desde o mês passado operações de fiscalização, nas quais as viaturas policiais ficam estacionadas em dois períodos de três horas de duração. 

Imagem relacionada

Acidentes –

 Além do combate à evasão de pedágios, há também o objetivo de diminuir a incidência de acidentes nas praças de pedágio. “Muitos motoristas passam no pedágio em velocidade superior à permitida, que é de 40 km/hora. Se o motorista de um carro vai passar pela cabine automática e, por qualquer motivo, a cancela não abrir, um caminhão que venha atrás a 70 km/hora não conseguirá frear. A colisão traseira é o principal problema que enfrentamos”, afirma o capitão Rossignoli. De acordo com ele, houve redução no número de acidentes desde que começou a operação na Rodovia Anchieta. “Vamos esperar ter dados de um período maior para fazer uma avaliação sobre o índice de queda”, diz. Balanço feito pela Artesp indica que integração de ações com a PMRv nas praças de pedágio levou a uma redução, no ano passado, de 41,7% no número de acidentes nas pistas de cobrança automática.

 Entre as medidas, destaca-se a melhoria da sinalização de solo, que determina mais controle na aproximação das pistas do pedágio automático e permite atendimento mais seguro aos veículos que param na pista quando a cancela não abre.

 Cláudio Soares Imprensa Oficial – Conteúdo Editorial