Panelaço dos aeroviários tomou conta do Aeroporto de Congonhas


O sindicato pleiteia reajuste salarial de 9% e os patrões oferecem apenas 6,34% apara quem ganha até R$ 10.000,00. Os valores atuais de vale-refeição, cesta básica e demais itens sociais com impacto econômico também seriam reajustados pelo INPC.

“Com os baixos salários praticados pelas empresas aéreas, está cada vez mais difícil chegar ao final do mês com algum dinheiro no bolso. O resultado é que as panelas estão cada vez mais vazias, não restando outra alternativa senão a de utilizá-las para fazer barulho para ver se os patrões se sensibilizam, pois as barrigas estão roncando mais que turbinas de aviões”, afirma o presidente do sindicato, Mandú.

Para reforçar os argumentos de que as empresas vivenciam um ótimo cenário econômico e financeiro, os sindicalistas recorrem aos dados disponibilizados pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), que aponta que o fluxo de passageiros transportados em voos domésticos registrou crescimento de 6,4% em comparação a outubro de 2013. A oferta de assentos, por sua vez, teve aumento de 2,6% na mesma base de comparação. Com isso, a taxa de aproveitamento médio dos aviões ficou em 80,8%, um crescimento de 2,9 pontos percentuais em relação a outubro do ano passado.

“Está mais do que provado que as empresas aéreas têm amplas condições de praticar o reajuste de 9% sobre os salários atuais dos aeroviários.  Estariam aproveitando a oportunidade para o início de novos tempos nas relações trabalhistas na aviação, demonstrando que de fato reconhecem e valorizam os seus profissionais, que tem sido os grandes responsáveis pelo histórico crescimento do setor”, arremata Mandú, presidente do Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo.



Fonte: Assessoria de imprensa do Sindicato dos Aeroviários SP - 05/12/2014