O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense e a Associação dos Participantes da CBS (APCBS)

Sindicato e APCBS farão manifestação contra a política da CSN sobre a CBS Previdência

O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense e a Associação dos Participantes da CBS (APCBS) farão amanhã, às 8h30, na Vila Santa Cecília, uma manifestação contra as práticas da CSN sobre o atual conselho administrativo da CSB Previdência. Entre outros pontos polêmicos, está a intenção de prorrogar o mandato por mais 30 meses do atual conselho, desrespeitando o estatuto da entidade que prevê eleições para março do ano que vem.


“Acima de tudo, defendemos as eleições. Hoje, o conselho é formado por 11 membros, entre os quais, sete são indicações da CSN e o restante seria de representantes dos trabalhadores e aposentados. Porém, nas últimas eleições, a CSN manipulou as eleições por meio de um número absurdo de procurações de trabalhadores nas mãos de representantes da direção da companhia”, afirmou Silvio Campos, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense.

As duas entidades representativas defendem que os participantes da CSB possam votar por meio de telefone e internet, evitando o uso da procuração. “Desta forma, a empresa não conseguirá manipular as eleições e o conselho da CBS será justo”, argumentou Áureo de Araújo Braga, vice-presidente da APCBS, afirmando ainda que a dívida da CSN com a Caixa Beneficente chega a R$ 500 milhões.

Nas últimas eleições, gerentes da CSN apresentaram milhares de procuração para votar em nome dos trabalhadores e a empresa acabou manipulando o pleito, elegendo gerentes nos cargos que seriam para os trabalhadores, aposentados e pensionistas. 

Além da questão das eleições do conselho, o Sindicato dos Metalúrgicos e APCSB questionam também o regulamento dos empréstimos para os participantes da Caixa Beneficente. Em alguns casos, por exemplo, a taxa de administração chega a ser de 27%, dependendo da idade dos associados da CBS – sem falar da taxa de juros e impostos.

O atual conselho da CBS, segundo Áureo de Araújo Braga, criou um plano para os novos empregados da CSN que não dá cobertura aos trabalhadores que se acidentam ou que se afastam para o tratamento de saúde. Outra atitude bastante questionada foi a suspensão do desconto em folha de contribuição às entidades representativas (Sindicato dos Metalúrgicos e APCBS) e associações sociais (Apae e Apadef). E mais: a CBS não está emitindo contracheque e os associados têm que buscar as informações na internet. “Nem todos os aposentados e pensionistas têm acesso a um computador”, disse o vice-presidente da APCBS.

CBS injeta mais de R$ 12 milhões na economia da cidade

A CBS Previdência é o terceiro maior pagador de salário de Volta Redonda, perdendo apenas para a prefeitura e a CSN. Ao mês, a Caixa Beneficente injeta mais de R$ 12 milhões na economia da cidade. Hoje, são 33,5 mil participantes do fundo previdenciário, dos quais, 17 mil são aposentados e pensionistas que recebem o benefício. O último balanço da Caixa Beneficente mostra que o patrimônio da CBS é de R$ 4 bilhões.