O “parecer” infelizmente tornou-se mais valorizado do que o “saber”.

No mundo em que vivemos, o “parecer” infelizmente tornou-se mais valorizado do que o “saber”.

Ao ouvirmos uma notícia não podemos toma-la como verdade absoluta sem antes conhecer sua fonte e sua história.

Antigamente o nosso mundo era o mundo de nossos pais, da nossa escola, do nosso bairro.

Hoje o mundo entra em nossas casas nos bombardeando com inúmeras informações. Obrigando-nos a dar respostas instantânea e desesperada, e assim nos esquecemos do bom senso e a análise critica dos acontecimentos.

Não podemos tomar qualquer notícia como verdade absoluta sem antes pensar sobre o que foi exposto ou verificar ao menos uma fonte que exponha o outro lado.

Você costuma pesquisar sobre o tema ou refletir sobre o que foi dito, ou apenas absorve a notícia no maior estilo ‘sim, senhor!’?

Pergunte ao invés de afirmar.

Converse ao invés de impor.

 É preciso estar aberto para discutir, afinal certo e errado são conceitos relativos.

 Veja bem, não há mal algum em replicar uma notícia interessante ou mesmo questionar os acontecimentos; o problema está nas supostas “verdades”..

Tomar partido é um equívoco sem ter acesso a mais de uma versão sobre os fatos.

Veja bem, é mais fácil se deixar ser levado pela multidão do que ter discernimento e decidir por si mesmo.

Apoio ou não apoio.

Acredito ou não acredito.

Não tem problema demorar em se posicionar, desde que o posicionamento seja coerente, pensado, construído.

Contribua com a qualidade de informação, não pela quantidade.

E, mesmo que a sociedade continue a exigir que palpitemos; precisamos sempre e primeiro questionar, então assumir uma posição.

Vamos primeiro saber,entender, compreender, para depois avaliar.