Metrô vai parar dia 05/06/2014.

METRÔ NEGA A LIBERAÇÃO DE CATRACA PARA A POPULAÇÃO

 

Em comunicado enviado ao Sindicato, a diretoria do Metrô negou o desafio feito pelos metroviários de liberar gratuitamente as passagens no lugar da paralisação. O principal argumento é que isso "resultaria em disposição dos bens de patrimônio de sociedade e economia mista e prejuízo ao erário do Estado" (anexo).

Essa seria uma alternativa para realizarmos manifestação dos metroviários insatisfeitos com as propostas da empresa e do governo, e também de beneficiar os usuários com transporte gratuito e garantindo a operação no dia marcado para a greve.

No dia 25 de outubro do ano passado, o Metrô liberou as catracas após um problema que afetou o sistema do bilhete único¹. Em 2010, um mês inteiro os usuários tiveram acesso sem cobrança de tarifa na Linha 4-Amarela².

Vemos isso como uma forma de pressão e criminalização dos trabalhadores organizados e individualmente as iniciativas em parceria com a população. Enquanto isso, empresa e governo estão mais preocupados com as perdas de lucro. Ainda assim, estamos dispostos a negociar por melhores condições dos transportes para todos.

 

 

 

TRIBUNAL REJEITA ARGUMENTO DO METRÔ

 

Diante da decisão da assembleia do dia 27/5, onde a categoria por ampla maioria optou por aguardar a reunião agendada no TRT para o dia 4/6 e decretou a greve para o dia 5/6, o Metrô tentou utilizar a marcação desta greve com o argumento que teríamos rompido o processo de negociação e solicitou liminar de esquema de emergência, a fim de pedir o julgamento do dissídio.

A desembargadora não interpretou desta maneira, manteve a data da reunião já agendada, marcou mais uma para o dia 2/6, e convocou o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, para que esteja nas duas reuniões atendendo o nosso pleito.

Desde o começo da Campanha Salarial cobramos a presença do governo do Estado nas negociações já que a direção da empresa sempre alega que não tem poder de negociar e depende do mesmo para aprovar as nossas reivindicações.

Logo após esta decisão da desembargadora, o presidente do Metrô também enviou carta para o Sindicato, marcando uma reunião para o dia 30/5 (sexta-feira).

Não podemos nos iludir esperando que sejamos atendidos nessas reuniões, devemos intensificar a Campanha e colocar em prática todas as formas de luta que foram aprovadas na assembleia, preparando greve por tempo indeterminado.


Companheiros, neste momento mais do que nunca a unidade é fundamental.

Cuidado com os boatos que circulam nos diversos meios de comunicação, inclusive nas redes sociais.

QUEM ALIMENTA A DIVISÃO FAVORECE O PATRÃO.