Metalúrgicos encerram greve após Volkswagen decidir recontratar demitidos

 
 
 
 

 

Os 13 mil trabalhadores da Volkswagen, que estavam em greve havia dez dias, definiram que irão retomar as atividades a partir da próxima segunda-feira (19). A decisão foi unânime e ocorreu após assembleia realizada nesta sexta-feira (16).

O grupo aceitou voltar ao trabalho já que a empresa concordou em recontratar os 800 funcionários que haviam sido demitidos pela montadora no início do ano. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Além disso, os funcionários também aceitaram o novo acordo de trabalho proposto pela empresa que prevê estabilidade de emprego até 2019 e garante o reajuste salarial pelo INPC (índice de inflação usado por muitas categorias para aumento de salário) a partir de 2017.

Na época das demissões, uma das críticas que os trabalhadores fizeram foi em relação à quebra de contrato. Segundo Wagner Santana, secretário-geral do sindicato dos metalúrgicos, um acordo feito em 2012 não permitia nenhuma demissão.

— As demissões ou eram por meio de PDV [plano de demissão voluntária] ou quando desse o tempo de aposentadoria, o trabalhador saía com incentivo financeiro. Qualquer outra demissão tinha de ser por justa causa. Essas garantias é que foram rompidas pela fábrica.

A Volkswagen informa, por meio de nota, que vê com satisfação a aprovação do novo Acordo Coletivo por seus empregados.

— Empresa e sindicato retomaram as discussões nesta semana e chegaram nesta sexta-feira a uma proposta balanceada que possibilitará a adequação da estrutura de custos e efetivo da unidade. O resultado contempla a continuidade dos mecanismos de adequação de efetivo por meio de Programas Voluntários, com incentivo financeiro, e também “desterceirizações” temporárias para alocação de parte do excedente de pessoal, entre outras medidas. Além disto, assegura a vinda de uma nova plataforma mundial de produto, solidificando as bases de um futuro sustentável para a Unidade Anchieta

Além da Volkswagen, a fábrica da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo não renovou a licença remunerada e demitiu 244 funcionários no final do ano. A empresa não confirmou o número, mas informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que uma pequena parte dos 1.200 trabalhadores foi demitida. 



Fonte: R7 - 16/01/2015