Metalúrgicos de SP aprovam ir à greve pelo aumento real e negociar empresa por empresa

Metalúrgicos de SP aprovam ir à greve pelo aumento real e negociar empresa por empresa

Diante da falta de uma contraproposta de aumento real dos grupos patronais, os trabalhadores metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes decidiram, em assembleia encerrada agora há pouco, ir à  greve e pressionar as empresas pelo aumento real de salário.

Na próxima segunda-feira, o Sindicato enviará carta de greve às empresas comunicando a decisão da assembleia e dando prazo de 72 horas para a abertura de negociação. “A empresa que não negociar será paralisada”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Miguel Torres.

A proposta de greve foi aprovada por unanimidade pelos cerca de 1.100 trabalhadores presentes na assembleia, realizada no auditório do Sindicato, no bairro da Liberdade. Antes da votação, o departamento econômico do Sindicato apresentou os dados da economia: baixo crescimento do PIB, inflação e juros em alta, crédito mais caro, e a expectativa de aumento de preços dos produtos e das tarifas públicas.

“Sabemos que a situação econômica está difícil, mas sabemos também que sem AUMENTO DE SALÁRIO vai ficar pior. Os patrões jogaram a crise na mesa de negociação e vamos responder com greve”, afirmou Miguel Torres.

A categoria reúne cerca de 260 mil trabalhadores, com data-base em 1º de novembro.



Fonte: Assessoria de Imprensa do Sindicato - 03/11/2014