Investigação sobre o derramamento de 30 mil litros de óleo diesel no Rio Amazonas.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), em Santarém, oeste do Pará, está investigando o derramamento de 30 mil litros de óleo diesel no Rio Amazonas, na comunidade Santana do Tapará. De acordo com o órgão, a empresa responsável pelo transporte do combustível não possuía licença ambiental para transportar este tipo de conteúdo.

A autorização para o transporte de combustível é feita por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente  (Semma), a informação é de que o veículo é da cidade de Anápolis, Estado de Goiás.

O derramamento de óleo aconteceu no sábado (1º). Um caminhão tanque que estava sendo transportado de balsa junto com passageiros, furou no momento em que estava sendo descarregado e derramou o combustível nas águas do Rio Amazonas.

Nesta quarta-feira (5), a Semma esteve no local do acidente, para acompanhar e orientar os trabalhos emergenciais para conter os danos causados.

Famílias da comunidade consumiam água que foi poluída (Foto: Divulgação/Semma)Famílias da comunidade consumiam água que
foi poluída (Foto: Divulgação/Semma)

 

 

 

 

 

 

 

De acordo com a Semma, a empresa que transportava o combustível deverá ser autuada conforme a Lei Federal 9.605/98 de crimes ambientais e notificada para que apresente um plano emergencial de contingência,com o intuito de amenizar os riscos do desastre ambiental. Também poderá ser responsabilizada a empresa proprietária balsa que transportou o veículo.

“Em nenhum momento houve manifestação oficial da empresa que causou o problema aos órgãos ambientais”, revelou o titular da Semma, Podalyro Neto.  Segundo ele, esse procedimento precisa acontecer imediatamente após o acidente para que os danos causados não se propaguem.

 

Famílias prejudicadas
Na região vivem mais de cem famílias, que estão sendo prejudicadas pelo óleo que já se espalhou por cerca de 10 quilômetros do rio, atingindo vegetação, areia e embarcações. A água era utilizada para atividades diárias e até mesmo consumida pelos moradores, que também estão impedidos de pescar no local. Os comunitários estão sendo orientados pela Semma a não consumirem a água.

derramamento de óleo  (Foto: Divulgação/Comunidade de Pescadores Z-20)Empresa que fazia transporte será autuada
(Foto: Divulgação/Comunidade
de Pescadores Z-20)

Segundo Neto, as principais medidas a serem tomadas são a proteção das pessoas e do meio ambiente e a punição dos responsáveis pelo acidente. “O primeiro ponto, e principal, é evitar que o dano aumente e, principalmente, proteger as pessoas que consomem a água diretamente. Já comunicamos à Secretaria Estadual de Saúde de que, nesse caso, existe a possibilidade de contaminação da água e que quase todas as comunidades no entorno consomem essa água”, declarou.

“O segundo procedimento é da autuação da empresa.  Estamos inclusive levantando informações sobre a competência da outra empresa em transportar um veículo que ofereça um risco desse tamanho”, finalizou o secretário.

A Defesa Civil de Santarém informou que aguarda um relatório da Secretaria Municipal de Meio Ambiente para tomar as medidas necessárias para proteger a saúde da população local.