Governo assumiu uma meta, juntamente com a Estradas de Portugal.

Publicado em 2012-06-15

 

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou, esta sexta-feira, que o Governo está a trabalhar para, através da renegociação de contratos, reduzir em 30% os encargos do Estado com as parcerias público-privadas. 

"O Governo assumiu uma meta, juntamente com a Estradas de Portugal, para a qual está a trabalhar. Foi assumidamente tomado o valor de cerca de 30% de redução desses encargos, que o Governo fixou como uma meta que seria alcançável. E eu espero que ela seja alcançável, porque isto significaria, até ao fim de vida dos contratos, uma redução entre 4 mil e 4,5 mil milhões de euros", afirmou Pedro Passos Coelho.

O primeiro-ministro fez esta afirmação durante o debate quinzenal no Parlamento, em resposta ao líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, que lhe pediu que fizesse um "ponto de situação" da renegociação das parcerias público-privadas.

Na resposta, Passos Coelho começou por referir que os encargos de médio e longo prazo com as parcerias público-privadas estavam estimados "em quase 1,9 mil milhões de euros por ano a partir de 2014" quando o atual Governo PSD/CDS-PP tomou posse.

"Esse valor, entretanto, foi reduzido, porque, como o senhor deputado sabe, logo no início do mandato este Governo decidiu suspender vários projetos de parcerias público-privadas que estavam ainda em tempo de poder ter uma decisão dessa matéria", assinalou Passos Coelho.

"Estima-se agora que esses encargos possam andar entre quase 1,2 e 1,4 mil milhões de euros durante quase 30 anos. O nosso objetivo é, evidentemente, fazer a renegociação destes contratos", completou.