Funcionários públicos de Santa Isabel entram em greve

O funcionários da Prefeitura de Santa Isabel decretaram greve nesta terça-feira (24). Os trabalhadores querem a volta do vale-alimentação e cobram também melhores condições de trabalho.

Na manhã desta terça-feira, cerca de 300 funcionários públicos se reuniram em uma praça em frente ao gabinete do prefeito Gabriel Bina. Segundo os trabalhadores, o vale de R$ 100 era o resultado de um acordo entre o sindicato e a Prefeitura em 2013. O benefício teria validade de um ano e depois seria passível de negociação. Mas os trabalhadores afirmam que o prefeito recusou o pedido de aumento do vale e o eliminou da folha de pagamento.

Atualmente, a Prefeitura de Santa Isabel tem 1,6 mil funcionários. Segundo o sindicato, em outubro do ano passado em uma reunião com a Prefeitura, a administração municipal concordou com o aumento de 1,5% mais plano de carreira. Por isso, o sindicato convocou a greve. “A Prefeitura acatou o primeiro acordo com aumento salarial, o segundo com plano de carreira, mas no terceiro item do vale alega não ter recurso para manter e pede para renegociar no futuro. A gente pretende que seja reajustado e mantido o vale-alimentação, mas não por mais um ano e sim como uma conquista do trabalhador”, explica o presidente do sindicato, Miguel Ângelo Latini.

O motorista Dalmo Alves de Oliveira participou do protesto do sindicato. Ele mostrava indignado um documento assinado pelo prefeito onde ele concede aumento de 50% no salário de pelo menos dois funcionários com cargo de diretor. ““Para uns dão e para nós tiram? Nós estamos lutando não só pelo vale-alimentação, mas por melhores condições de trabalho, porque ninguém faz nada.”

A Prefeitura de Santa Isabel informou que cumpriu o prazo de 12 meses referente ao acordo do vale-alimentação. A administração municipal acrescentou que está aberta ao diálogo com representantes dos servidores. A administração destacou que  está tomando as providências para resguardar os direitos e garantir os serviços essenciais à população durante a greve.



Fonte: G1 - 24/02/2015