"MANIFESTANTES" DE CAMPOS AFIRMAM TER GANHADO R$ 80,00 PARA IR A ATO NO RIO

Manifestantes no centro da Cinelândia, no Rio de Janeiro, nos protestos em defesa da Petrobras nesta sexta-feira (13) (Foto: Raphael Gomide/ÉPOCA)


RAPHAEL GOMIDE, HUDSON CORRÊA E LÍVIA CUNTO SALLES
13/03/2015 19h54 - Atualizado em 13/03/2015 1

Há divergências sobre o numero de manifestantes entre a PM e as organizações partidárias.

O pagamento para manifestantes é normal entre as organizações como sindicato e federações, portanto não é uma manifestação com teor ideológico quando existem bandeiras partidárias.

Sentada em um canteiro no centro da Cinelândia, no Rio de Janeiro, alheia aos longos discursos políticos, feitos de um carro de som, em apoio à Petrobras ou impeachment da presidente Dilma Rousseff, a desempregada Luciana, moradora de Campos dos Goytacazes (RJ), conversava desanimada com uma amiga na tarde desta sexta-feira (13). Parecia cansada. Ao redor da árvore, estavam ainda o marido, também desempregado, a filha de 6 anos e outros conterrâneos. Todos vestiam camisetas cor de laranja com os logotipos do Sindipetro e da Petrobras: “Defender a Petrobras é defender o Brasil”. Luciana, que não quis dizer seu sobrenome, não faz parte do sindicato e nunca trabalhou no setor petrolífero.

Sem trabalho, ela e o marido, Marco Aurélio, afirmaram ter recebido R$ 80 do sindicato para vir ao Rio participar de um protesto tão longe de casa. “O dinheiro chegou em boa hora”, disse. Quando o ato começou, Luciana e o marido estavam cansados. Acordaram às 5h30, saíram às 7h de Campos, a 274km do Rio, e só chegaram ao centro da cidade às 15h. Segundo ela, vieram em uma caravana de mais de 20 ônibus do norte fluminense, alugados pelo Sindipetro. Sem ter com quem deixar a filha pequena, trouxeram a menina para passear no Rio. Demoraram mais que as quase cinco horas que a viagem costuma levar porque o grupo parou para almoçar na lanchonete Oásis Grill, na BR-101, na altura de Casimiro de Abreu. A despesa foi paga  pelo sindicato, disse ela.

 
 
 
 
 
 

>> Sindicalistas vão às ruas em defesa da Petrobras

A ÉPOCA, o diretor do Sindipetro-RJ e diretor de comunicação da Federação Nacional dos Petroleiros Edson Munhoz afirmou desconhecer que militantes tenham sido pagos para ir ao ato. “Nossa militância trabalha na base de contrapartidas. Por exemplo, a associação de moradores ou de sem-teto precisa de advogado em uma ocupação e providenciamos, mas dinheiro na mão desconheço.”

Segundo ele, o mais normal é haver uma “troca política”, de apoio mútuo. “Quando há uma ação deles, sindicatos maiores, como o dos Petroleiros e Bancários dão cesta básica e ajudam no que é preciso. Todos colaboram com os cidadãos mais humildes. Acredito que algum político tenha até auxiliado [financeiramente], mas não é praxe dar dinheiro no movimento sindical”, afirmou Munhoz.

Luciana era uma das muitas pessoas que, com camisetas cor de laranja e ar deslocado, se misturavam às muitas com camisetas vermelhas e portando bandeiras da CUT (Central Única dos Trabalhadores), do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e do PT. ÉPOCA perguntou a Luciana a razão do protesto e o motivo por que ela estava ali. “É o petróleo!”, disse. “É o petróleo!” Como se a explicação fosse insuficiente, disse que o protesto era por causa dos “royalties que estão querendo tirar do Estado do Rio”. A manifestação era de apoio à Petrobras e contra o impeachment da presidente Dilma. A passeata em defesa dos royalties aconteceu em novembro de 2012.

A Polícia Militar estimou entre mil e 2 mil pessoas os presentes ao ato na Cinelândia, que depois seguiu, de forma pacífica, em direção a sede da Petrobras. Havia 150 policiais acompanhando a manifestação, mas eles não tiveram trabalho.

 

CONVOCADOS POR SINDICATOS, GRUPOS SE MANIFESTARAM EM DIVERSOS ESTADOS E OCUPARAM RUAS EM APOIO À PETROBRAS.

Mobilização levou militantes dos partidos de esquerda e do Movimento Sem Terra às ruas nas capitais dos Estado  CE Midia Ninja.jpg