Especificação Técnica SONDAGEM/SP

DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DE SÃO PAULO.

DER/SP DE 00/SP-001.

Serviços Preliminares

 Sondagem.

 

OBJETIVO

Definir os critérios que orientam os métodos, procedimentos e equipamentos para a execução e pagamento dos serviços de exploração do subsolo, através de sondagens a trado, percussão, rotativa e barra mina em obras sob a jurisdição do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo — DER/SP.

 

 DEFINIÇÃO

As sondagens e poços de inspeção consistem em perfurações realizadas no terreno para determinação das espessuras, profundidades, características, estruturas e índices de resistência das camadas de solos e rochas de interesse, além da determinação do lençol freático.

As sondagens são realizadas através de quatro métodos de perfuração distintos ou ainda pela combinação dos métodos: trado, percussão, rotativa ou barra mina.

A sondagem a trado (ST) tem o objetivo de determinar, espessuras, nível d'água e o tipo de solo encontrado. É realizado com a escavação através de trado cavadeira com coletas de amostra de solo a cada metro, horizonte, ou a critério pré-estabelecido para ensaios geotécnicos ou estudos geológicos.

A sondagem a percussão (SP) tem o objetivo de determinar os tipos de solos e suas profundidades de ocorrência e índices de resistência à penetração do solo, e obter a posição do nível d'água.

O índice de resistência à penetração, é realizado pela cravação de amostrador padrão no terreno, em golpes sucessivos de um peso determinado em queda livre, sobre a cabeça de cravação, conectada às hastes e ao barrilete corresponde ao número de golpes necessários à cravação do amostrador.

Quando à resistência do material impede a cravação do amostrador padrão, o ensaio deve ser interrompido, ou segundo critérios preestabelecidos em função da finalidade da sondagem a ser realizada.

 

A sondagem rotativa (SR) tem o objetivo de obter testemunhos para o reconhecimento, onde não é possível a avaliação do subsolo através das sondagens a trado ou percurssão, pois se tornou impenetrável através destas sondagens. É realizado através de sondas rotativas, providas de hastes, coroa de corte e barrilete amostrador. A profundidade da sondagem deve ser interrompida segundo critérios preestabelecidos, em função da finalidade da sondagem a ser realizada.

A sondagem mista: SM, STP e SPR, reúne as possibilidades de cada sondagem considerando as condições do subsolo, custos operacionais e informações desejadas, indicando as vantagens para esta opção.

A sondagem por meio de poços de inspeção (P) tem o objetivo de permitir o acesso de um observador, visando a inspeção e mapeamento das paredes e fundo e, obter amostras representativas deformadas e indeformadas de solo.

 

Os equipamentos básicos para execução das sondagens e poços de inspeção são:

 Sondagem a Trado

a) trados do tipo cavadeira e helicoidal;

b) hastes metálicas;

c) ponteira;

d) medidor de nível de água;

e) trena;

f) recipientes para coletas de amostras, etiquetas.

3.2 Sondagem a Percussão

a) tripé ou equivalente;

b) hastes;

c) tubos de revestimento;

d) amostradores;

e) peso para cravação do conjunto haste e amostrador;

f) bomba d'água;

g) baldinho;

h) válvula de pé;

i) trepano de lavagem;

j) motor com guincho;

k) macacos ou saca tubos;

1) medidor de nível de água;

m) trado do tipo cavadeira ou espiral;

n) trena;

o) recipientes para coletas de amostras, etiquetas, caixa d' água;

3.3 Sondagem Rotativa

a) tripé ou equivalente;

b) sonda rotativa;

c) bomba d'água;

d) guincho;

e) tubos de revestimentos;

f) coroas diamantadas;

g) luvas alargadoras;

h) barriletes;

i) retentores de testemunhos;

j) obturadores de borracha;

k) hastes de perfuração:

- as hastes de perfuração são necessárias para o avanço da sondagem e conduzem

no seu interior o fluído para refrigeração das peças de corte.

1) Revestimentos

- os revestimentos são geralmente usados nos solos, rochas porosas, alteradas ou fraturadas para impedir o fechamento do furo, assim como na prevenção da perda de água de circulação. Os diâmetros usuais dos revestimentos, dentro de cada grupo.

 

Barrilete amostrador

- instrumento constituído por um ou dois tubos de aço, com adaptação de peças cortantes incrustadas de diamantes ou metal duro para cortes de rocha, sendo que o núcleo, testemunho, é recolhido no tubo e seguro por meio de uma mola cônica.

Utilizam-se barriletes simples, duplos rígidos e duplos giratórios;

  • - os barriletes simples dos grupos WG e WT consistem em um único tubo em cuja extremidade inferior são conectados o alargador e a coroa. São muito usados para dar início à perfuração quando a rocha está aflorante. O uso normal dos mesmos é feito em formações rochosas muito compactas e coerentes, tornando-se inadequados em rochas friáveis, quebradiças ou facilmente erosíveis;
  • - os barriletes duplos rígidos dos grupos WG e WT são semelhantes aos simples,apresentando, porém, além do tubo externo, um tubo interno que armazena e impede o contato da água de perfuração com parte significativa do testemunho.  

São normalmente adequados para usos em formações rochosas compactas coerentes e pouco fraturadas. Podem ser usados, também, em formações rochosas pouco coerentes, desde que sejam relativamente compactas e pouco fraturadas;

* os barriletes duplos giratórios dos grupos WG e WT apresentam dois tubos, sendo um externo e outro interno e, na parte superior, um dispositivo que faz com que a camisa interna permaneça estacionária, não girando com o conjunto. É recomendado o uso desses barriletes em formações rochosas friáveis e fraturadas; os barriletes duplos giratórios, do grupo WM com caixa de mola, são utilizados para as sondagens em rochas inconsistentes ou friáveis, possibilitando melhor recuperação; os tipos e diâmetros usados, dentro de cada grupo.

*  a nomenclatura apresentada corresponde aos diversos tamanhos e seus diâmetros correlatos. - as duas primeiras letras designam a haste a ser usada para a cabeça rosqueada do barrilete, terceira letra indica o tipo do barrilete;

*os comprimentos das hastes para os barriletes Grupos WG e WT são: 6,096 m; 3,048 m; 1,524 m; 0,914 m; 0,610 m e 0,305 m.*

* coroas, alargadores para barriletes - as coroas e alargadores ou calibradores são acoplados aos barriletes amostradores e têm a função de cortar a rocha ou formação dura. Podem ser de diamante, vídia ou outro material apropriado e, o tipo e qualidade a empregar dependem do material a ser perfurado;

 * para destruir pedaços de testemunho ou rocha que tenham caído no interior do furo,ou simplesmente, fazer um furo sem recuperação, usam-se coroas de seção plana ou maciças;

COROAS

  • ·        coroas, alargadores e sapatas para revestimentos

as coroas e alargadores ou calibradores são acoplados aos barriletes amostradores e têm a função de cortar a rocha ou formação dura. Podem ser de diamante, vídia ou outro material apropriado e, o tipo e qualidade a empregar dependem do material a ser perfurado; as sapatas para revestimento são, também, acopladas ao revestimento e cortam a formação, permitindo o avanço do mesmo. Permitem passagem do barrilete de mesma denominação através do seu interior.

 sistema Wire-Line, série Q

Nesse sistema a penetração do barrilete é executada por meio de rotação das hastes.

Uma vez penetrado na rocha, o barrilete é destravado das hastes, içado pormeio de um pescador automático e puxado, através de um cabo de aço, por dentro das hastes, até a superfície. Neste sistema as hastes de sondagem servem, também, como revestimento. Os diâmetros usados de hastes, barriletes, coroas e alargadores para barriletes .

 

 Poços de Inspeção

a) ferramentas manuais como: sarilho, corda, enxadão, picareta, pá, balde, escada, colher de pedreiro, desempenadeira de aço;

b) caixa cúbica de madeira ou similar,c) talagarça, parafina, pincel, carrinho-de-mão;

d) saco plástico e de lona, recipientes de plástico, vidro ou alumínio, com tampa hermética,etiquetas para identificação e trena.

A corda e o sarilho devem ser suficientemente resistentes para suportar com segurança o peso de um homem. Por razões de segurança, deve ser mantida uma corda de reserva, estendida junto à parede do poço, firmemente fixada na superfície do terreno durante a fase de execução e classificação.

 

 Condições Gerais de Execução

O serviço de sondagens deve ser feito sempre com acompanhamento geotécnico, seja pela fiscalização da projetista ou do DER/SP. A executante deve apresentar um sondador habilitado responsável pela execução da perfuração e um geólogo responsável pela classificação das amostras de solo e testemunhos.

A locação do furo de sondagem deve ser marcado com a cravação de um piquete de madeira ou material apropriado.Este piquete deve ter gravado a identificação, o tipo de sondagem: ST, SP, SR, P etc., número e, estar suficientemente cravado no solo, servindo de referência de nível para a execução da sondagem e posterior determinação de cota, através de nivelamento topográfico. O furo de sondagem deve ser nivelado e amarrado topograficamente a uma poligonal de apoio.

A executante deve estar com a programação de sondagem e ensaios a executar, informando as quantidades previstas e critérios executivos, fornecidos pela projetista. Qualquer alteração na programação deve ser aprovada pela fiscalização.

A executante deve entregar imediatamente, após a conclusão da sondagem, uma cópia do boletim de campo.

A cota do nível do lençol freático deve ser registrada diariamente em cada sondagem em andamento e as profundidades da sondagem.

Ao se iniciar um novo turno de trabalho, devem ser registrados a cota do nível do lençol freático em cada sondagem em andamento e as profundidades da sondagem e dos revestimentos correspondentes. Em caso de se encontrar lençol artesiano, devem ser registrados seus níveis estático e dinâmico, e medida a sua vazão, após estabilização.

A sondagem deve ser iniciada após a limpeza da área necessária para a instalação dos equipamentos.

Após a limpeza devem-se acondicionar os equipamentos e abrir um sulco ao seu redor para impedir a entrada de enxurrada.

Os critérios de paralisação e relocação de um furo de sondagem devem ser informados na programação pelo projetista, ou a critério da fiscalização. A executante deve informar a fiscalização quando a paralisação ocorrer por motivos inesperados.

 

Sondagem a Trado

A executante deve fornecer equipamento para execução de sondagem até 15 m de profundidade.

No caso da existência de outros equipamentos operando na mesma obra, os demais devem dispor de material para 10 m de profundidade.

O material escavado deve ser depositado sobre lonas, de modo a não sofrer contaminação, agrupados em montes dispostos segundo suas profundidades e tipos de solo. As profundidades de início e término de cada camada amostrada, devem ser identificadas.

A medida da profundidade deve ser determinada através da medição do comprimento das hastes do trado, em relação a boca do furo.

No caso da sondagem atingir o lençol freático, a sua profundidade deve ser anotada. Deve ser medido diariamente o nível d' água antes do início dos trabalhos e na manhã seguinte,depois de concluído o furo.

Quando constatada a presença de artesianismo, formando lençol freático suspenso, este deve ser selado com a cravação de um tubo a fim de se detectar o nível d'água e, deve ser avaliada a vazão de escoamento d'água ao nível do solo.

A sondagem deve ser dada por terminada quando:

a) atingir a profundidade especificada na programação dos serviços;

b) atingir o limite de 15 m de profundidade;

c) ocorrer desmoronamentos sucessivos da parede do furo;

d) o avanço do trado for inferior a 5 cm, em 10 minutos de operação continua de perfuração;

e) o terreno for impenetrável ao trado, devido a ocorrência de cascalho, matacões ou rocha.

Quando a paralisação de um furo ocorrer antes do programado, e houver interesse de se investigar melhor o local, o furo deve ser deslocado de cerca de 3 m a 5 m, para qualquer direção e sentido. Todas as tentativas devem constar da apresentação final dos resultados e, devem ter a mesma numeração do furo, acrescida das letras A, B, C etc.

 Amostragem

Quando o material perfurado for homogêneo, as amostras devem ser coletadas a cada metro perfurado, salvo orientação contrario da fiscalização.

Se houver mudança no transcorrer do metro perfurado, devem ser coletadas tantas amostras quantos forem os diferentes horizontes.

As amostras para determinação da umidade natural devem ser acondicionadas imediatamente após o avanço de cada furo, coletando-se cerca de 100 g em recipiente de tampa hermética, parafinada ou selada com fita colante.

As amostras para ensaios de laboratório devem ser acondicionadas em sacos de lona ou plástico, devem ser devidamente fechados após sua coleta. A quantidade de amostra deve ser proporcional aos ensaios que se destinam.

As amostras devem ser identificadas por duas etiquetas, uma externa e outra interna ao recipiente de amostragem, onde constem:

 Apresentação dos Resultados

a) nome da obra;

b) nome do local;

c) número do furo;

d) intervalo de profundidade da amostra;

e) data da coleta;

f) número da amostra.

 Boletim de campo

Todos os elementos de informações obtidas durante a execução do serviço, devem ser anotados em impressos adequados.

Cópias dos boletins de campo devem ser entregues a fiscalização, imediatamente após o termino da sondagem.

Nas folhas de anotações de campo devem ser registrados:

a) nome da obra e interessado;

b) identificação e localização do furo;

c) diâmetro de sondagem, início e término;

d) data de execução;

e) descrição e profundidade das amostras coletadas;

f) medidas de nível d'água com data, hora e profundidade do furo por ocasião da medida;

g) ferramenta utilizada na perfuração e profundidade respectiva.

 Relatório

Os resultados das sondagens devem ser apresentados em relatórios numerados, datados e assinados por responsável técnico pelo trabalho registrado no CREA- Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O relatório final deve ser apresentado conforme a

IP-DE A00/001 - Elaboração e Apresentação de Documentos Técnicos e a IP-DE-A00/002

Devem constar do relatório:

a) nome do interessado;

b) local e natureza da obra;

c) indicação do método e dos equipamentos empregados na realização das sondagens;

d) total perfurado, em metros;

e) relação das normas brasileiras relativas ao assunto e declaração de que suas normas foram obedecidas;

f) outras observações e comentários, se julgados importantes;

g) referências aos desenhos constantes no relatório.

 Anexos

a) planta com localização da sondagem, cotada e amarrada a referências facilmente encontradas e pouco mutáveis, tais como: logradouros públicos, acidentes geográficos, marcos topográficos etc. Nessa planta deve constar a localização das sondagens cotadas e amarradas a elementos fixos e bem definidos no terreno. A planta deve conter, ainda, a posição da referencia de nível (RN) tomada para o nivelamento das bocas das sondagens, bem como a descrição sumaria do elemento físico tomado como RN;

b) perfil individual de cada sondagem ou na forma de boletins descritivos nos quais devem constar:

- o nome da firma executora das sondagens, o nome do interessado, local da obra,indicação do número do trabalho, os vistos do desenhista e do engenheiro ou geólogo responsável pelo trabalho;número da sondagem;

- cota da boca do furo de sondagem, com precisão de 10 mm;

- posição das amostras colhidas, devendo ser indicadas as amostras não recuperadas e os detritos colhidos por sedimentação;

- as profundidades, em relação à boca do furo, das transições e do final das sondagens;

- identificação dos solos amostrados, conforme NBR 13441(2) — Rochas e solo;

- a posição do nível d'água encontrado e a respectiva data de observação; indicando se houve pressão ou perda d'água durante a perfuração;

- datas de início e término de cada sondagem.

c) no caso de apresentação dos resultados na forma de perfil individual, deve constar, linhas horizontais cotadas a cada 5 m em relação a referencia de nível;

d) as sondagens devem ser desenhadas na escala vertical de 1:100. Somente nos casos de sondagens profundas e, em subsolos muito homogêneos, pode ser empregada escala mais reduzida, com convenção gráfica dos solos que compõem as camadas do subsolo,conforme NBR 13441(2)

 

 Sondagem a Percussão

 

A executante deve fornecer equipamento para execução de sondagens de até 40 m de profundidade.

Quando a paralisação de um furo ocorrer antes do programado e, houver interesse de se investigar melhor o local, o furo deve ser deslocado de cerca de 3 m a 5 m, para qualquer direção e sentido. Todas as tentativas devem constar da apresentação final dos resultados e, deve ter a mesma numeração do furo, acrescida das letras A, B, C etc.

No caso de prosseguimento da sondagem pelo método rotativo, esta deve ser denominada com a sigla SPR.

A forma e distribuição d'água do trepano, bem como as características das hastes do ensaio penetrométrico, devem ser idênticos para todos os equipamentos, durante todo o serviço de sondagem de uma mesma executante, numa mesma obra.

As pegas de avanço da sondagem devem permitir a abertura de um furo com diâmetro mínimo de 2 1/2".

A fiscalização pode solicitar a substituição de qualquer equipamento que julgar inadequado.

A sondagem deve ser iniciada com emprego do trado-concha ou cavadeira manual até a profundidade de 1 m, seguindo-se a instalação até essa profundidade, do primeiro segmento do tubo de revestimento dotado de sapata cortante.

Nas operações de perfuração, intercaladas as de ensaio e amostragem, deve ser utilizado trado cavadeira até onde for possível e até se atingir o nível d'água freático.

Em terreno alagadiço ou coberto por lamina d'água a sondagem deve ser feita a partir de plataforma fixa ou flutuante, firmemente ancorada e assoalhada, que cubra a área delimitada pelos pontos de apoio do tripé.

Tornando-se impossível a perfuração a trado cavadeira, o avanço deve ser feito utilizando-se trado espiral.

No caso de ser atingido o nível d'água, ou quando avanço do trado espiral for inferior a 5 cm e 10 minutos de operação continua de perfuração, deve-se passar para o método de percussão com circulação de água, ou seja, lavagem. Para tanto é obrigatória a cravação do revestimento.

Quando o avanço do furo se faz por lavagem, a operação em si consiste na elevação da composição de perfuração em cerca de 30 cm do fundo do furo e na sua queda, que deve ser acompanhada de movimentos de rotação alternados, vai-e-vem, aplicados manualmente pelo operador.

Quando se atingir a cota de ensaio e amostragem, a composição de perfuração deve ser suspensa a uma altura de 0,20 m do fundo do furo, mantendo-se a circulação de água por tempo suficiente, até que todos os detritos da perfuração tenham sido removidos do interior do furo.

O controle das profundidades do furo, com precisão de 10 mm, deve ser feito pela diferença entre o comprimento total das hastes, com a peça de perfuração e a sobra das mesmas, em relação a um nível de referência, fixado junto à boca do furo.

Durante a operação de perfuração, devem ser anotadas as profundidades das transições de camadas detectadas por exame tátil-visual e, da mudança de coloração de materiais trazidos à boca do furo pelo trado helicoidal ou pela água de circulação.

No caso da sondagem atingir o lençol d'água, a sua profundidade deve ser anotada.

Quando ocorrer artesianismo, deve ser anotada a altura máxima de elevação d'água no revestimento ou a medida da vazão, com o respectivo nível dinâmico.

O nível d'água, ou as características do artesianismo devem ser medidos todos os dias antes do início dos trabalhos e na manhã seguinte, após a conclusão das sondagens.

Salvo especificação em contrário, imediatamente após a última leitura do nível d'água, ou término de furo seco, o mesmo deve ser totalmente preenchido com solo, deixando-se cravada ao seu lado, uma estaca com a identificação da sondagem.

Quando constatada a presença de lençol freático suspenso, o mesmo deve ser selado com a cravação do revestimento da sondagem, a fim de se detectar outros níveis d'água inferiores.

A execução de sondagens a percussão deve estar em conformidade com a

 

As dimensões e detalhes construtivos do penetrômetro, para o ensaio SPT, devem estar rigorosamente

de acordo com o indicado na NBR 6484(4) – Solo, Sondagens de simples reconhecimento com SPT – Método de ensaio.

Não deve ser admitido o ensaio de penetração sem a válvula de bola, especialmente em terrenos não coesivos ou abaixo do nível d'água.

O fundo do furo deve estar satisfatoriamente limpo.

Caso se observem desmoronamentos da parede, o furo do tubo de revestimento deve ser cravado de tal modo que sua boca inferior nunca fique abaixo da cota do ensaio de penetração.

 

O martelo para cravação do amostrador deve ser erguido manualmente, com auxilio de uma corda e polia fixa no tripé. É vedado o emprego de cabo de aço para erguer o martelo.

A queda do martelo deve se dar verticalmente, sobre a composição, com a menor dissipação de energia possível.

O martelo deve possuir uma haste guia onde deve estar claramente assinalada a altura de 75cm, de acordo com o indicado na NBR 6484(4) — Solo, Sondagens de simples reconhecimento com SPT — Método de ensaio.

 Execução

 

O amostrador deve ser apoiado suavemente no fundo do furo, assegurando-se que sua extremidade se encontre na cota desejada e que as conexões entre as hastes estejam firmes e retilíneas.

A ponteira do amostrador não deve estar fraturada ou amassada.

Colocado o barrilete no fundo, devem ser assinalados com giz, na porção de haste que permanece fora do revestimento, três trechos de 15 cm cada um, referenciados a um ponto fixo no terreno.

A seguir, o martelo deve ser suavemente apoiado sobre a composição de hastes, anotando-se a eventual penetração observada. Se ocorrer penetração nesta manobra, deve corresponder a zero golpe.

Se na aplicação do primeiro golpe do martelo a penetração for superior a 45 cm, o resultado da cravação do amostrador deve ser expresso pela relação deste golpe com a respectiva penetração.

Não tendo ocorrido penetração igual ou maior do que 45 cm no procedimento acima, deve se iniciar a cravação do barrilete através da queda do martelo.

Cada queda do martelo corresponde a um golpe e devem ser aplicados tantos golpes quantos forem necessários à cravação de 45 cm do amostrador.

Deve ser anotados o número de golpes e, a penetração em centímetros, para a cravação de cada terço do amostrador.

 

O valor da resistência à penetração consiste no número de golpes necessários à cravação dos 30 cm finais do amostrador.

Qualquer mudança nas condições preconizadas nesta especificação, por exemplo: tipo de haste e martelo, falta de coxim de madeira, uso de cabo de aço, sistema mecanizado de acionamento do martelo etc., que altere o nível de energia disponível para cravação do amostrador-padrão, só deve ser aceita se acompanhada da respectiva correlação, obtida pela medida

desta energia através de sistema devidamente aferido, constituído de célula de carga, e acelerômetros, instalados na composição de cravação.

 Amostragem

As amostras devem ser representativas dos materiais atravessados e livres de contaminação:

a) as amostras do amostrador SPT, devem possuir cerca de 250 gramas, e devem ser obtidas na parte inferior do material obtido no amostrador. Devem ser acondicionadas

em recipiente plástico provido de tampa, procurando-se manter intactos os cilindros de solo obtidos;

b) as amostras do trado, com cerca de 500 gramas, quando solicitado, devem ser coletadas na parte inferior da broca do trado e acondicionadas em sacos plásticos;

c) as amostras de lavagem, com cerca de 500 gramas, obtidas pela decantação da água de circulação, em recipiente com capacidade mínima de 10 litros, devem ser acondicionadas em sacos plásticos;

d) as amostras de baldinho, com válula de pé, devem possuir cerca de 500 gramas, constituídas.

Neste processo de amostragem e vedada a prática de coleta do material acumulado durante o avanço da sondagem, em recipiente colocado junto à saída da água em circulação;

As amostras devem ser identificadas por duas etiquetas em papel cartão, uma interna e outra colocada na parte externa do recipiente, onde conste:

a) nome, número e local da obra;

b) data da execução;

c) número da sondagem;

d) localização da sondagem, estaca ou afastamento;

e) número da amostra;

f) profundidade da amostra;

g) número de golpes e a penetração.

Salvo o caso de amostras de amostrador, devem ser coletadas amostras para cada metro perfurado.

Se ocorrer mudanças no transcorrer do metro perfurado, devem ser coletadas tantas amostras quantas forem os diferentes tipos de materiais.

As amostras devidamente acondicionadas devem ser colocadas em caixas de madeira do tipo e dimensões usados em furos rotativos, conforme anexo A, obedecendo à seqüência da perfuração.

As caixas devem ser providas de tampa com dobradiças.

Na tampa e em um dos lados menores da caixa, , devem

ser anotados com tinta indelével os seguintes dados:

a) nome, número e local da obra;

b) data da execução;

c) número da sondagem;

d) localização da sondagem, estaca ou afastamento;

e) número da amostra;

f) profundidade da amostra;

g) número de golpes e a penetração.

Quando a sondagem a percussão for seguida por sondagem rotativa, deve ser utilizada a caixa de amostra apropriada para o diâmetro da sondagem rotativa programada.

As amostras devem ser coletadas desde o início do furo e acondicionadas na caixa, com separação de tacos de madeira, pregados na divisão longitudinal.

 

A seqüência de colocação das amostras na caixa deve ser a indicada no anexo A.

A profundidade de cada trecho amostrado deve ser anotada com caneta esferográfica ou tinta

indelével, em tacos de madeira, pregados transversalmente a canaleta.

Após a ultima amostra do furo, deve ser coloca do um taco com a palavra FIM.

Na divisão longitudinal de madeira junto à amostra do lado da dobradiça, deve constar o tipo de amostragem, isto e: trado, lavagem, penetrômetro etc.

 

As caixas de amostras devem permanecer guardadas a sombra, em local ventilado, até o final da sondagem.

As amostras devem ser conservadas pela executante, a disposição dos interessados por um período mínimo de 60 dias, a contar da data da apresentação do relatório.

As amostras devem ser conservadas pela executante, a disposição dos interessados por um

período mínimo de 60 dias, a contar da data da apresentação do relatório.

Identificação da amostras

As amostras devem ser examinadas e identificadas, no mínimo, por meio das seguintes características:

a) granulometria, conforme a NBR 7181(5) — Analise granulométrica;

b) plasticidade;

c) cor;

d) origem, tais como: solos residuais; transportados, isto é, coluvionares, aluvionares,

fluviais e marinhos etc;

e) aterros.

Após sua ordenação pela profundidade, as amostras devem ser examinadas individualmente e agrupadas, consecutivamente, segundo suas características semelhantes.

Inicia-se o procedimento de identificação das amostras de solo pela sua granulometria, procurando- se separá-las em duas grandes divisões:

a) solos grosseiros, tais como: areias e pedregulhos;

b) solos finos, tais como: argilas e siltes.

O exame visual das amostras permite avaliar a predominância do tamanho de grãos, sendo possível individualizar grãos de tamanho superior à um décimo de milímetro, admitidos como visíveis a olho nu.

Solos com predominância de:

a) grãos maiores que 2 mm, devem ser classificados como pedregulhos;

b) grãos inferiores a 2 mm e superiores a 0,1 mm, devem ser classificados como areias.

Um exame mais acurado permite a subdivisão das areias em:

a) grossas: grãos da ordem de 1,0 mm;

b) medias: grãos da ordem de 0,5 mm;

c) finas: grãos da ordem de 0,2 mm.

Solos com predominância de partículas ou grãos inferiores a 0,1 mm devem ser classificados

como:

a) argilas;

b) siltes.

As argilas se distinguem dos siltes pela plasticidade, quando possuem umidade suficiente,pela coesão, quando secas ao ar e pela mobilidade da água em estado saturado de agitação.

A classificação acima indicada deve ser seguida das frações de solo que puderem ser também identificadas pelos critérios já definidos, devendo-se, com alguma experiência, avaliar as proporções desta fração complementar.

Deve ser utilizada nomenclatura onde apareçam, no máximo, três frações de solos, por exemplo: argila silto-arenosa.

Todavia, admite-se a complementação da descrição quando houver presença de pedregulhos,cascalhos, detritos ou matéria orgânica, concreções etc.

A nomenclatura das amostras dos solos deve ser acompanhada pela indicação da cor, feita logo após a coleta destas, utilizando-se até, no máximo, de duas designações de cores.

Quando as amostras apresentarem mais do que duas cores, deve ser utilizado o termo variegado no lugar do relacionamento das cores.

Embora considerado o caráter subjetivo desta indicação da cor, devem ser utilizadas as designações:branco, cinza, preto, marrom, amarelo, vermelho, roxo, azul, verde e variegado, isto é, com mais de três 3 cores, admitindo-se, ainda, as designações complementares claro e escuro.

Quando, pelo exame tátil-visual, for constatada a presença acentuada de mica, a designação micácea deve ser acrescentada à nomenclatura do solo. Quando ocorrer grandes poros deve ser acrescentada a designação porosa.

A designação da origem dos solos, residual, coluvial, aluvial etc., e aterros deve ser acrescentada a sua nomenclatura.

No caso de solos residuais, recomenda-se a indicação da rocha mater.

 Paralisação da Sondagem

A sondagem a percussão deve ser dada por terminada nos seguintes casos:

Impenetrável

A cravação do amostrador deve ser interrompida quando o número de golpes ultrapassar a 30 e a penetração do amostrador-padrão for inferior a 15 cm; ou se durante a aplicação de cinco golpes sucessivos do martelo não se observar avanço do amostrador-padrão, ou se em mesmo ensaio o número máximo de golpes for de 50.

Atingidas as condições assim definidas, os ensaios de penetração devem ser suspensos, sendo executado a seguir, ensaio de avanço da perfuração com lavagem por tempo.

O processo de perfuração por circulação de água, associado aos ensaios de penetração, deve ser utilizado até onde se obtiver, nesses ensaios, uma das seguintes condições:

a) em 3 m sucessivos, se obtiver 30 golpes para penetração dos 15 cm iniciais o amostrador-padrão;

b) em 4 m sucessivos, se obtiver 50 golpes para penetração dos 30 cm iniciais do amostrador-padrão;

c) em 5 m sucessivos, se obtiver 50 golpes para a penetração dos 45 cm do amostradorpadrão.

Havendo necessidade técnica de continuar a investigação do subsolo em profundidades superiores,o processo de perfuração deve ser prosseguido pelo método rotativo, quando indicadopelo projeto ou solicitado pela fiscalização.

Voltando a ocorrer material susceptível de se efetuar ensaio de penetração dinâmica (SPT),o ensaio deve ser retomado, como descrito em 4.3.1.

Critério para paralisação em cortes

Quando atingir a 2 m abaixo do greide previsto, ou conforme especificado na programação dos serviços.

Quando for atingido o impenetrável a percussão de acordo com o item anterior, sem prejuízo de continuação pelo processo rotativo, ou quando solicitado pela fiscalização.

Boletim de campo

Todos os elementos de informações obtidas durante a execução do serviço devem ser anotados

em impressos adequados.

Cópias dos boletins de campo devem ser entregues a fiscalização imediatamente após o término

da sondagem.

Nas folhas de anotações de campo devem ser registrados:

a) nome da obra e interessado;

b) identificação e localização do poço;

c) dimensões do poço;

d) data do início e término da execução;

e) descrição e profundidade das amostras coletadas;

f) medidas de nível d' água com data, hora e profundidade do furo por ocasião da medida;

g) equipamentos utilizados na escavação do poço;

h) motivo da paralisação.

Relatório

Os resultados das escavações devem ser apresentados em relatórios numerados, datados e

assinados por responsável técnico pelo trabalho registrado no Conselho Regional de Engenharia,

Arquitetura e Agronomia - CREA. O relatório final deve ser apresentado conforme a

IP-DE A00/001(5) - Elaboração e Apresentação de Documentos Técnicos e a IP-DEA00/

002(6) - Codificação de Documentos Técnicos.

Devem constar do relatório:

a) nome do interessado;

b) local e natureza da obra;

c) descrição sumária do método e dos equipamentos empregados na realização da escavação;

d) total perfurado, em metros;

e) declaração de que foram obedecidas as normas brasileiras relativas ao assunto;

o outras observações e comentários, se julgados importantes;

g) referências aos desenhos constantes do relatório.

 Anexos

a) planta com localização da obra e a localização da escavação, cotada e amarrada a referências

facilmente encontradas e pouco mutáveis, tais como: logradouros públicos,

acidentes geográficos, marcos topográficos etc.;

b) a planta deve conter, ainda, a posição da referência de nível (RN) tomada para o nivelamento

das bocas das escavações, bem como a descrição sumária do elemento físico

tomado como RN;

c) perfil individual ou na forma de boletins descritivos nos quais devem constar:

- o nome da firma executora das escavações, o nome do interessado, local da obra,

indicação do número do trabalho, os vistos do desenhista e do engenheiro ou geólogo

responsável pelo trabalho;

- número do poço;

- cota da boca do poço, com precisão de 10 mm;

- as profundidades, em relação à boca do poço, das transições e do final das escavações;

- identificação dos solos amostrados, conforme a NBR 13441(2) — Rochas e solo;

a posição do nível d'água encontrado e a respectiva data de observação;

- datas de início e término de cada escavação.

m) no caso de apresentação dos resultados na forma de perfil individual, devem constar,

ainda, os seguintes itens:

- linhas horizontais cotadas a cada 5 m em relação a referência de nível;

- convenção gráfica dos solos que compõem as camadas do subsolo, conforme a NBR 13441(2) 

— Rochas e solo;

- as sondagens devem ser desenhadas na escala vertical de 1:100; somente nos casos

de sondagens profundas e, em subsolos muito homogêneos, deve ser em pregada

escala mais reduzida.

Barra Mina

As sondagens barra-mina consistem em sondagens que tem por finalidade a determinação

de espessura de solos moles.

O plano de sondagem barra mina deve ser executado de forma a determinar a espessura e

área de abrangência do solo mole.

As sondagens são executadas através de cravação de haste metálicas rígidas de diâmetro de

3A" e 4,0 m de comprimento. As hastes devem possuir escala graduada em a cada 5,0 cm.

Antes do início da sondagem toda a vegetação de brejo existente no local deve ser removida,

e quando houver camadas de aterro devem-se executar primeiramente sondagens a trado

até a superfície da camada de solo mole.

Após a remoção da vegetação ou execução da sondagem a trado a sondagem pode ser iniciada.

A sondagem barra-mina deve ser executada no próprio orifício da sondagem a trado,

após esta ter sido executada.

A cravação da haste metálica deve ser executada na vertical, por processo estritamente manual, quando não for possível mais executar a cravação a sondagem é dada com terminada.

Realizar a descrição táctil-visual do material aluvionar, quando possível, isto é, após a retirada

da haste metálica verificar há material aluvionar aderido na extremidade inferior que

tenha impedido o prosseguimento da cravação.

Quando a cravação atingir cerca de 3,50 m de profundidade e não se atingir o final da espessura

de solo mole, deve registrar no boletim de sondagem que não foi possível detectar a espessura

total da camada.

Apresentação dos Resultados

a) nome da obra;

b) nome do local;

c) número do furo;

d) intervalo de profundidade;

e) data da sondagem;

 Boletim de campo

Todos os elementos de informações obtidas durante a execução do serviço, devem ser anotados

em impressos adequados.

Cópias dos boletins de campo devem ser entregues a fiscalização, imediatamente após o termino

da sondagem.

Nas folhas de anotações de campo devem ser registrados:

a) nome da obra e interessado;

b) identificação e localização do furo;

c) cota de início e término;

d) data de execução;

e) descrição e profundidade;

f) medidas de nível d'água com data, hora e profundidade do furo por ocasião da medida;

g) ferramenta utilizada na perfuração e profundidade respectiva.

Relatório

Os resultados das sondagens devem ser apresentados em relatórios numerados, datados e assinados

por responsável técnico pelo trabalho registrado no Conselho Regional de Engenharia,

Arquitetura e Agronomia - CREA. O relatório final deve ser apresentado conforme a

IP-DE A00/001 - Elaboração e Apresentação de Documentos Técnicos e a IP-DE-A00/002

— Codificação de Documentos Técnicos.

Devem constar do relatório:

a) nome do interessado;

b) local e natureza da obra;

c) descrição sumaria do método e dos equipamentos empregados na realização das sondagens;

d) total perfurado, em metros;

d) relação das normas brasileiras relativas ao assunto e declaração de que suas normas

foram obedecidas;

e) outras observações e comentários, se julgados importantes;

f) referências aos desenhos constantes no relatório.

 Anexos

a) planta com localização da sondagem, cotada e amarrada a referências facilmente encontradas e pouco mutáveis, tais como: logradouros públicos, acidentes geográficos,marcos topográficos etc. Nessa planta deve constar a calização das sondagens cotadas e amarradas a elementos fixos e bem definidos no terreno. A planta deve conter, ainda, a posição da referencia de nível (RN) tomada para o nivelamento das bocas das sondagens, bem como a descrição sumaria do elemento físico tomado como RN;

b) perfil individual de cada sondagem ou na forma de boletins descritivos nos quais devem

constar :o nome da firma executora das sondagens, o nome do interessado, local da obra, indicação do número do trabalho, os vistos do desenhista e do engenheiro ou geólogo responsável pelo trabalho; número da sondagem; cota da boca do furo de sondagem, com precisão de 10 mm; as profundidades, em relação à boca do furo, das transições e do final das sondagens; a posição do nível d'água encontrado e a respectiva data de observação;datas de início e término de cada sondagem.

n) no caso de apresentação dos resultados na forma de perfil individual, deve constar,

ainda, linhas horizontais cotadas a cada 5 m em relação a referencia de nível;

o) as sondagens devem ser desenhadas na escala vertical de 1:100, com convenção gráfica

dos solos que compõem as camadas do subsolo, conforme NBR 13441

 

 - Rochas e solo.

5 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO

5.1 Sondagem a Percussão

A sondagem a percussão é medida por metro linear executado.

No preço unitário estão inclusos: visita prévia ao local, marcação dos furos (sendo que a distância

entre os furos não superior a 30 m), execução das sondagens, confirmação da locação

e do nivelamento, descrição das amostras de solo de cada termo de sondagem, elaboração

do perfil de sondagem de laboratório (em termos de resistência, permeabilidade e deformabilidade);

revisão da classificação e, por fim, elaboração e aprovação final do relatório de

sondagem. Também está incluso mão de obra especializada com encargos sociais, ferramentas

e acessórios necessários para perfeita execução do ensaio.

Taxa Fixa de Instalação Sondagens a Percussão ou Rotativa

A taxa de instalação de sondagens a percussão ou rotativa é medido e pago por unidade

(un) de instalação.

No preço unitário estão inclusos: a locação das sondagens em campo e nivelamento, chegada

à obra e instalação do canteiro de obra. Também está incluso mão de obra especializada

com encargos sociais, ferramentas e acessórios necessários para instalação da sondagem.

 

 Transporte de Equipamento de Sondagem

O transporte de equipamento de sondagem é medido e pago por (km x equip.) de distância

percorrida (ida e volta).

No preço unitário estão inclusos: o transporte de equipamentos da empresa até o local de

execução dos furos.

5.4 Deslocamento de Equipamento de Sondagem

O deslocamento de equipamento de sondagem é medido e pago por metro (m) deslocado.

No preço unitário estão inclusos: o deslocamento de equipamentos dentro da obra entre os

furos, sendo que a distância entre os furos deve ser superior a 30 m.

5.5 Plataforma ou Banqueta para Sondagem a Percussão ou Rotativa

A plataforma ou banqueta para sondagem a percussão ou rotativa é medida e paga por equipamento.

No preço unitário estão inclusos: o fornecimento de equipamentos para permitir a realização

de sondagem em locais ingrimes.

Flutuante para Sondagem

A flutuante de instalação é medida e paga por obra, atestada pela fiscalização.

No preço unitário estão inclusos: despesa com o transporte do flutuante até o local da obra,

o posicionamento e ancoragem sempre que necessário. Assim como, as despesas com a locação

do flutuante, calibragem do mesmo e as despesas de desmobilização do flutuante após

o término de execução do serviço.

 Instalação de Sondagem a Percussão ou Rotativa sobre Flutuante

A instalação de sondagem a percurssão ou rotativa sobre flutuante é medida e pago por unidade

de sondagem de instalação.

No preço unitário estão inclusos: a locação das sondagens em campo e nivelamento, chegada

à obra e instalação do canteiro de obra. Também está incluso, mão de obra especializada

com encargos sociais, ferramentas e equipamentos necessários para instalação da sondagem.

Sondagem Rotativa em Solo, Rocha Alterada e Rocha Sã

A sondagem a rotativa em solo, rocha alterada e são é medida e paga por metro linear (m)

executado.

No preço unitário estão inclusos inclusa a visita prévia ao local, marcação dos furos ( a distância

entre os furos não deve ser superior a 30 m), confirmação da locação e do nivelamento,

descrição das amostras de cada termo de sondagem, elaboração do perfil de sondagem de

laboratório (petreografia geral, granulação, textura, estrutura, cor dominante, etc), bem como parâmetro geotécnicos (grau de alteração, coerência e fraturamento), revisão da classificação

e, por fim, elaboração e aprovação final do relatório de sondagem. Também está incluso

mão de obra especializada com encargos sociais, ferramentas, acessórios e equipamentos

(cobrindo todos os gastos com os equipamentos) necessários para perfeita execução

do ensaio.

 Sondagem a Trado

A sondagem a trado é medida e paga por metro linear (m), pode atingir até 15 m, dependendo

da compacidade e consistência dos solos.

No preço unitário estão inclusos: a visita prévia ao local, marcação dos furos (a distância entre

os furos não deve ser superior a 30m), a perfeita execução da sondagem nas camadas

mais superficiais dos solos, obtenção de amostras deformadas ao longo da profundidade, de

metro em metro, elaboração do perfil de sondagem de laboratório (em termos de permeabilidade,

limites de consistência e ensaio de compactação); revisão da classificação e, por fim,

elaboração e aprovação final do relatório de sondagem de laboratório, em termos de permeabilidade,

limites de consistência e ensaio de compactação; revisão da classificação e, por

fim, elaboração e aprovação final do relatório de sondagem. Também está incluso mão de

obra especializada com encargos sociais, ferramentas e acessórios necessários para perfeita

execução do ensaio.

Abertura de Poço de Inspeção

A abertura de poço de inspeção é medido e pago por metro linear (m) executado.

No preço unitário estão inclusos: a visita prévia ao local, marcação dos poços, proteção a área

do poço e a integridade, e segurança dos trabalhadores, obtenção de amostras ao longo

da profundidade, a cada horizonte de solo, coleta das amostras indeformadas (conforme determinado

pelo geólogo responsável), a sua completa identificação, proteção e armazenamento,

a perfeita elaboração do perfil do terreno identificando e classificando as camadas de

solo e, por fim, elaboração e aprovação final do relatório de sondagem do poço. Também

está incluso mão de obra especializada com encargos sociais, ferramentas, equipamentos de

segurança e acessórios necessários para perfeita execução do poço de inspeção.

 

Poços de