Diretor do DER de Assis, Jorge Mori, chegou ao ponto de pedir que o próprio deputado federal apresentasse proposta de rotatória

Capitão Augusto anuncia interdição do ramal Mello Peixoto contra inércia do DER de Assis

Está marcada para sábado, 29 de abril, às 10h, uma manifestação pública na rodovia Mello Peixoto contra o descaso que a residência regional do DER, sediada em Assis, vem demonstrando com as rodovias que cortam o município de Ourinhos. O local do ato será o acesso aos maiores bairros servidos por esse ramal rodoviário: Jardim Itamaraty, parque Pacheco Chaves, Jardim Paris e bairro Nossa Senhora de Fátima. A iniciativa é do deputado federal Capitão Augusto, que afirma ter aguardado providências desse órgão há mais de 2 anos, sem êxito. “Desde que estava na Polícia Militar percebia a forma descompromissada como o DER de Assis sempre tratou as reivindicações de Ourinhos”, desabafou o deputado. “Agora vamos mudar o tom da conversa”, completou Capitão Augusto.

O motivo da revolta do parlamentar é que na última reforma da rodovia, o DER implantou no ramal Mello Peixoto, que liga a rodovia Raposo Tavares à ponte Mello Peixoto na divisa com o Paraná, dispositivos de acesso a bairros que são alvos de críticas desde sua construção. “Essas alças foram feitas criando barreiras físicas para os veículos que trafegam nessa rodovia e também no trecho urbano da Raposo Tavares, transformando-se em obstáculos perigosíssimos para os motoristas”, explica o deputado ourinhense. Segundo ele, conseguiram piorar o que já era ruim. “Esses dispositivos chegam a ser criminosos”, acusou.

PREJUIZOS – A rodovia ramal tem sido palco de constantes e graves acidentes. Mas, além deles, o deputado chama a atenção para os graves prejuízos provocados aos munícipes com a dificuldade de se transpor a rodovia. Ele cita o caso dos cerca de mil funcionários da Indústria Marvi, instalada às margens da Mello Peixoto, que estão sendo obrigados a trafegar por dentro de um dos bairros próximos para conseguir ter acesso ao trabalho. Outro exemplo é o enfrentado pelos 3 mil associados, além dos visitantes, do Clube Balneário Diacuí. “É preciso fazer um retorno e pegar uma alça de acesso no sentido contrário da rodovia para aí sim pegar a estrada municipal que dá acesso ao clube”, informou o deputado. Logo no início da rodovia, há também o acesso aos novos bairros formados pelo complexo Ville de France, onde inclusive está localizado o novo campus da Unesp de Ourinhos, com centenas de alunos, professores e funcionários trafegando diariamente, segundo o deputado que acaba de assumir a Comissão de Segurança da Câmara Federal.

TENTATIVAS - Ainda em 2014, eleito mas antes de tomar posse, o deputado Capitão Augusto já havia realizado sua primeira abordagem sobre o assunto com o DER de Assis, em reunião com seu diretor, Jorge Mori. “Logo nessa primeira conversa, o clima não foi dos melhores, até porque nem dava pra ser, é um descaso de décadas com Ourinhos por parte do DER regional”, afirmou o Capitão. Nesse encontro, o deputado alertou que entraria com uma ação judicial contra o Governo do Estado se fosse necessário. Conversações com o DER e até com o governador do Estado, Geraldo Alckmin, entretanto, evitaram que essa medida fosse tomada até o momento. “Tentamos buscar as soluções até agora com muita conversa e articulação política, mas já ficou claro que não há disposição do DER de Assis”, admitiu o Capitão.

Naquela primeira reunião na regional do órgão estadual, o deputado afirma que o seu diretor, Jorge Mori, chegou a pedir que o próprio Capitão apresentasse um projeto para uma possível rotatória. “Por aí já deu pra ver, logo de cara, a falta de compromisso deles, ou de competência. Quem é o órgão responsável por esse tipo de projeto? A quem compete dar solução aos problemas rodoviários da região? Um absurdo quererem transferir a responsabilidade deles para um deputado federal”, afirmou.

Há cerca de menos de um mês, novas tentativas do escritório político do deputado em Ourinhos para agendar mais um encontro com o diretor do DER foram inúteis, levando o deputado a decidir por uma medida extrema. “Ourinhos já ultrapassou a marca de 110 mil habitantes, daqui pra frente nosso crescimento populacional tende a ser vertiginoso, essa rodovia dá acesso a bairros populosos, praticamente liga dois lados da cidade, não podemos aceitar mais essas soluções que por décadas foram impostas a Ourinhos guela a baixo”, reclama Capitão Augusto.

JUSTIÇA - De acordo com o deputado, as polícias rodoviária e militar foram oficiadas por seu gabinete, de forma que todas as providências de segurança sejam planejadas com apoio desses órgãos. Paralelamente, não sendo indicadas providências pelo DER, o mesmo também será alvo de interpelações judiciais por parte do deputado.

Coincidentemente, é a segunda ação do deputado que envolve a cidade de Assis. A primeira foi com o credenciamento do Hospital do Câncer de Ourinhos que implicou no descredenciamento do Hospital Regional sediado naquela cidade. “Quem provocou o descredenciamento de Assis foram os próprios responsáveis pela área de oncologia do Hospital Regional, que não fizeram o que tinha que ser feito”, simplifica o deputado. No caso do DER, surgiram comentários na Câmara de vereadores de Assis que o deputado, assim como no caso da oncologia, pretenderia transferir a residência do DER para Ourinhos. “É outra mentira. Por falta de representação política, Ourinhos perdeu o DER e vários outros órgãos estaduais e federais para Assis por muito tempo, isso é fato, mas não precisamos que o DER se mude para Ourinhos, basta que ele cumpra satisfatoriamente sua obrigação de atender nossas demandas”, finalizou Capitão Augusto. Aliás, as críticas ao DER são feitas também pelos assisenses, com se pode observar nas redes sociais.