Epidemia, dengue se alastra nos Estados São Paulo e Minas Gerais.

15/04/2014 15h36 - Atualizado em 15/04/2014 15h52

Dez cidades concentram 70% dos casos de dengue em São Paulo

Primeiro trimestre teve redução de 82,8% no número de casos, diz secretaria.
Já a Prefeitura da capital espera aumento dos casos neste mês.


O primeiro trimestre de 2014 teve redução de 82,8% do número de casos de dengue em São Paulo em comparação com o mesmo período de 2013, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde. Dos 18.445 casos com transmissão dentro do estado, porém, cerca de 70% estão concentrados em apenas dez cidades. A doença fez sua primeira vítima no ano em São Paulo:  o menino Israel, de 6 anos.

saiba mais

Lideram o ranking absoluto de casos de dengue as cidades de Americana (2.711), Campinas (2.520), São Paulo (1.802), Jaú (1.387), Taubaté (862), Votuporanga (775), Santa Bárbara d’Oeste (744), Boa Esperança do Sul (725), Casa Branca (642) e Osasco (477).

Já na cidade de São Paulo o número de casos de dengue aumentou 15% em relação ao mesmo período do ano passado. A região do Jaguaré é a que mais preocupa, pois já são 208 casos da doença, com uma morte, a primeira por dengue na capital este ano.

No bairro onde o menino morava, os vizinhos estão assustados. “A gente está com bastante receio, até por conta das crianças”, afirmou a dona de casa Michele Cristina Pereira
A mãe do menino Israel, de 6 anos, contou que os sintomas começaram no dia 24 de março.

Ela levou o filho duas vezes na Atendimento Médico Ambulatorial (AMA) do Jaguaré e disseram que era uma virose. Só uma semana depois, quando ela foi ao Pronto Socorro da Lapa, na Zona Oeste de São Paulo, é que os médicos fizeram um exame de sangue.

“Foi um descaso, um desrespeito. Nenhuma mãe no mundo merece o que eu estou passando”, afirmou Dalvaci Barbosa de Oliveira, mãe de Israel.

O secretário municipal de saúde, José de Fillipi Júnior, disse que vai investigar se o atendimento feito na AMA foi correto. “Nós estamos investigando, se não estava associado à alguma outra com morbidade. Mas isso nós vamos investigar, nós vamos avaliar e não era para ter acontecido”, disse.

A Prefeitura disse que os agentes já visitaram 115 mil casas no bairro do Jaguaré e que na segunda-feira (7) fez uma operação conjunta com a prefeitura de Osasco, na Grande São Paulo, que também registrou aumento dos casos de dengue.

Não são só os moradores da Zona Oeste estão preocupados. Na Vila Formosa, na Zona Leste, em uma única rua nove pessoas tiveram dengue. A Rua Lambert Lombardi fica a poucos metros do Cemitério da Vila Formosa. Segundo os moradores, é lá que o mosquito se cria.

“Os cemitérios estão no nosso plano de monitoramento. Neste fim de semana, nossa equipe esteve no Vila Formosa e não encontrou nenhum criadouro. A ocorrência de tantos casos assim em uma mesma rua está associada a um criadouro muito perto. Se não é no cemitério, é em algum local próximo”, afirmou o secretário.

A expectativa é a de que o pico de contaminados em São Paulo aconteça em abril. De acordo com o secretário, em entrevista na quinta-feira (3), a falta de chuva “atrasou” em duas ou três semanas o aparecimento do mosquito. Por isso, segundo ele, o pico que deveria ter ocorrido em março será verificado agora em abril.

Município teve 1.450 casos confirmados e uma morte apenas este ano.

Noticias do G1 Sul de Minas

Locais como Cana Verde, Perdões e Lavras registram aumento nos casos.

 Com 1.450 casos confirmados e uma morte, Campo Belo (MG) vive uma epidemia de dengue. A cidade tem o maior número de notificações e casos do Sul de Minas e a doença está se alastrando para municípios vizinhos, como Cana Verde (MG), Perdões (MG) e Lavras (MG).

Por dia, cerca de 100 pessoas são atendidas no hospital da cidade com os sintomas da doença. "Sinto muita dor de cabeça, os músculos todos doem, não consigo andar direito", disse o pintor Fábio Natanael.

A Vigilância Epidemiológica notificou 2.258 casos somente neste ano, contra 810 em 2013. As cidades vizinhas também sofrem com a doença. Em Cana Verde, 53 casos foram confirmados neste ano. Em 2013 foram registradas apenas 4 notificações.  Já em Perdões, 46 casos foram confirmados e 213 notificações foram feitas somente neste ano. Há pouco mais de 60 km de distância, Lavras tem 482 casos notificados e 215 confirmados.

"A presença do mosquito infectatante está nos outros municípios e o trânsito de pessoas, especialmente entre gente que trabalha em uma cidade e mora em outra pode fazer com que a doença se alastre por outras localidades", comentou a coordenadora do núcleo de epidemiologia, Suzana Ximenes Ivar do Sul.

 

Dengue se alastra a cidades próximas a Campo Belo (Foto: Reprodução EPTV)

Segundo o médico infectologista, Luiz Carlos Coelho, a migração da doença pode acontecer e pede que os municípios antecipem o trabalho de combate antes que a doença atinja mais pessoas. "Isso acontece por causa do ir e vir das pessoas. Existe a possibilidade de uma pessoa sadia ser picada em uma cidade, adoecer, voltar para a cidade de origem, ser picada por um mosquito não infectado e esse mosquito se infectar e passar a infectar outras pessoas. Existe ainda a possibilidade dos ovos serem transportados por hortifrutigranjeiros ou outros transportes de qualquer que seja a mercadoria", pontuou.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica, até mesmo uma tampinha de garrafa pode se transformar em criadouro do Aedes aegypti. Em Passos (MG), onde 2,4 mil casos foram notificados neste ano e duas mortes confirmadas, a prefeitura já decretou estado de emergência e intensificou a fiscalização.