Cidades da região de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo)

30/11/2013 - 10h08

Após acidente, cidades do interior de SP querem fim de ferrovias em área urbana

Cidades da região de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) e do interior paulista reforçaram as cobranças para retirar as ferrovias que cortam as áreas urbanas após o acidente que matou oito pessoas em São José do Rio Preto (438 km de São Paulo), no último domingo.

§  ANTT diz que fiscaliza e Dnit cita melhorias

Em Matão (305 km de São Paulo), a prefeitura entende que seria benéfico para o município ter os trilhos fora da área urbana, mas enquanto isso não acontece, a cidade reivindica uma passagem para veículos para ligar o bairro Bosque ao centro.

"É um perigo essa passagem em nível. Precisamos ter uma alternativa para evitar acidentes ali", afirma Ademir de Souza, secretário municipal de Planejamento.

A prefeita de Américo Brasiliense (283 km de São Paulo), Cleide Aparecida Berti Ginato (PTB), afirma que o município não pede apenas a retirada dos trilhos da área urbana, mas também obras para facilitar o trânsito de veículos, constantemente interrompido pelos trens.

 

Em Araraquara (273 km de São Paulo), a obra do contorno ferroviário está atrasada há seis anos. A primeira previsão de entrega era no final de 2008. Atualmente, segundo a prefeitura, está em fase final de execução, com previsão de ser entregue no segundo semestre de 2014.

A secretária de Desenvolvimento Urbano da cidade, Alessandra de Lima, diz que a linha funciona como "uma barreira", separando a Vila Xavier do restante da cidade.

Em São Carlos (232 km de São Paulo), o projeto para a transposição da linha já foi aprovado, mas ainda não é executado. A prefeitura não se manifestou a respeito, mas em outras oportunidades o prefeito Paulo Altomani (PSDB) já havia manifestado descontentamento com os trilhos.

Em Itirapina (212 km de São Paulo), a ferrovia divide a cidade. Há uma única passagem em nível, segundo o prefeito José Candido (PMDB). Quando o trem passa, com quatro máquinas e cerca de 90 vagões, o trânsito para. O último acidente envolvendo um trem e um carro aconteceu há dois meses.

No município, a ferrovia gera um outro problema: o barulho. Como o local é usado para manobras das composições, elas permanecem paradas por um longo período na área urbana, causando prejuízo aos moradores.