Centrais Sindicais apresentam proposta de salário base para o Governo de Mato Grosso.

MT: Centrais Sindicais apresentam proposta de salário base para o Governo
Foto: Divulgação

As Centrais Sindicais de Mato Grosso entregaram dia 12 para o secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques, a Proposta de Lei de Iniciativa Popular que visa implantar o piso salarial para categorias profissionais de base, que atendem principalmente o setor industrial, agropecuário, pesqueiro, construção civil, área têxtil, turismo, comunicação e prestadores de serviço terceirizado.

Os representantes da Força Sindical, CTB, CVT, NSCT, UGT e CUT explicaram para o secretário que o objetivo da proposta é aplicar um piso salarial diferenciado para Mato Grosso, que atualmente é considerado uma das unidades federativas mais prósperas do país, mas que ainda possui grande concentração de renda.

Segundo o presidente da Força Sindical, que possui aproximadamente 400 mil filiados, Manoel de Souza, a remuneração diferenciada já é praticada em outras federações, como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, então o que Mato Grosso estaria fazendo é seguindo exemplos de legislações que beneficiariam o trabalhador.

“Temos várias propostas de aumento do salário base, mas que ainda devem ser discutidos de forma gradativa. O nosso objetivo é melhorar o salário base que temos hoje, que não dá para as famílias viverem de forma digna, e assim distribuir melhor a renda que está concentrada no Estado”, explica Souza.

O deputado Zé Carlos do Pátio (SD), que intermediou a reunião entre os presidentes dos sindicatos e o secretário Paulo Taques, disse que o intuito da categoria é apenas conseguir o respaldo do governador Pedro Taques (PDT), e assim aproximar os trabalhadores do Executivo.

“Estamos propondo um projeto de lei estabelecendo o salário base de Mato Grosso, pois temos atualmente um Estado rico e o povo pobre, e essa diferença está muito grande. A proposta não é minha, mas sim, das Centrais Sindicais, contudo estou colaborando, por que queremos fazer isso ao lado do governo do Estado”, afirmou Pátio.

O secretário Paulo Taques, que recebeu o documento, garantiu que será realizado um estudo da Lei e analisar sua viabilidade. “O Projeto de Lei que eles (sindicalistas) querem é aumentar o piso salarial dos trabalhadores. Então, vou levar esse documento ao governador e aos secretários de planejamento e finanças, para ver no que implica no orçamento do Estado, e depois dar uma reposta as Centrais Sindicais”, disse Taques.



Fonte: O Nortão - 19/02/2015