Carnaval tem menor nº de mortos e acidentes nas rodovias em 8 anos

Carnaval tem menor nº de mortos e acidentes nas rodovias em 8 anos

19/02/2015 16h59 - Atualizado em 19/02/2015 17h34

Número de vítimas fatais nas estradas que cortam o país caiu 28%.

Foram registrados 2.785 acidentes, com 1.786 feridos e 120 mortes.

Isabella Formiga

Do G1 DF

O número de acidentes, mortos e feridos nas rodovias federais durante o feriado do Carnaval foi o menor registrado nos últimos oito anos, segundo balanço da Operação Rodovida - etapa Carnaval divulgado nesta quinta (19) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). A ação de fiscalização foi realizada entre a sexta-feira (13) e as 24h desta quarta-feira (18).

238.594 mil pessoas foram fiscalizadas em seis dias de operação em todo o país

Apenas em relação ao ano passado, a redução no número de acidentes foi de 22%. Em 2014, foram registrados 40,5 acidentes para cada 1 milhão de veículos registrados. Este ano,  o número caiu para 31,7 colisões para a mesma frota.

A quantidade de vítimas fatais em acidentes nas estradas que cortam o país caiu 28% em comparação com o ano passado, quando haviam dois mortos para cada 1 milhão de veículos – o número caiu para 1,37.

O número de feridos também sofreu uma redução de 18% em comparação com o ano passado: em 2014, foram 24,7 feridos para cada 1 milhão de veículos; este ano, 20,4.

Foram registrados 2.785 acidentes, com 1.786 feridos e 120 vítimas fatais. No ano passado, a PRF registrou 3.357 acidentes, 2.066 feridos e 159  mortos. Em 2014, o período de fiscalização ocorreu entre 28 de fevereiro a 5 de março.

Estados mais violentos
Bahia, Minas Gerais e Paraná responderam, em 2014, por 40% das mortes nas rodovias federais durante o Carnaval. Por conta do alto índice, a PRF reforçou a operação nos estados com até 20% a mais de policiais, mais helicópteros, etilômetros, radares e motocicletas.

A corporação considerou a operação bem-sucedida: em 2015, os três estados responderam por 26,7% das mortes no país. Em relação ao ano anterior, a redução de mortes nas estradas foi de 67% em relação à frota no Paraná, de 47% em Minas Gerais e de 39% na Bahia.

Apesar da queda, Minas Gerais continua a ter o maior número de mortes em acidentes nas rodovias federais: foram 400, com 14 óbitos. Para a Polícia Rodoviária Federal, isso se explica pelo fato de o estado ter a maior malha federal do país.

Operação
Segundo a corporação, 238.594 mil pessoas foram fiscalizadas em seis dias de operação. Ao todo, 234.038 veículos vistoriados e 2.901 carteiras de motoristas apreendidas. Além disso, 48.754 pessoas flagradas cometendo infrações foram obrigadas a participar de aulas de educação de trânsito.

Também foram realizados 85.677 testes de alcoolemia em motoristas, dos quais 2.006 resultaram em autuações e 372 na condução de motoristas a delegacias por dirigirem com nível de álcool no sangue acima do limite permitido ou com sinais e sintomas de embriaguez.

A corporação informou que a colisão frontal continua sendo a principal causa de acidentes fatais nas rodovias federais, mas o número caiu de 72 mortes para 23 – uma redução de 68% de mortes em decorrência desse tipo de acidente. Já a alta velocidade foi responsável por 26% dos acidentes provocados nas rodovias.

Metodologia
A Polícia Rodoviária passou a adotar o número de acidentes por milhão de veículos em 2011 porque, segundo a corporação, a comparação com os números absolutos em relação ao ano anterior poderia gerar distorções em razão do aumento da frota nacional, que no ano passado foi de 9%.

Ainda assim, o número total de acidentes, mortos e feridos este ano foi menor do que o registrado no carnaval do ano passado. Este ano, foram 2.785 acidentes, com 1.786 feridos e 120 vítimas fatais. No ano passado, a PRF registrou 3.357 acidentes, 2.066 feridos e 159  mortos. Em 2014, o período de fiscalização ocorreu entre 28 de fevereiro a 5 de março.

De acordo com a PRF, 2011 foi o ano com mais mortes registradas durante o feriado de carnaval: 3,3 mortos para cada 1 milhão de veículos. Neste ano, foi 1,37 mortos por milhão de veículos – uma redução de 41%.