Capitais nordestinas são as preferidas para realizar eventos de negócios Belezas naturais, cultura e condições econômicas contribuem para escolha.

Edição do dia 26/12/2013

26/12/2013 15h55 - Atualizado em 26/12/2013 15h55

 

Belezas naturais, cultura e condições econômicas contribuem para escolha.
Cidades do Nordeste investem para receber grandes eventos.

 
 
 
 
 

As capitais nordestinas estão em alta quando o assunto é a escolha do lugar ideal para realizar grandes eventos nacionais. É o que revela pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, em parceria com o Ministério do Turismo.

A pesquisa ouviu empresários e os números revelam a preferência: 91% dos promotores de feiras e 52% dos organizadores de eventos apontaram o Nordeste como a região mais procurada para sediar eventos de grande porte nos próximos anos.

“Você nunca vai em busca exclusivamente do conhecimento técnico, você sempre sai para passear, para conhecer especialmente a cultura local e o Nordeste tem muito a mostrar em relação a isso”, argumenta o universitário Carlos Eduardo Siqueira.

As belezas naturais e a cultura contam muito, mas o lado econômico também tem contribuído. "As entidades em geral têm preferido trabalhar com o Nordeste, principalmente em função do custo. As regiões acabam sendo mais competitivas do que realizar eventos em capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, em que o custo acaba sendo bem maior", explica Vitor Liberman, produtor de eventos.

Entre as capitais mais procuradas estão Recife, Salvador e Fortaleza. Esta última cidade tem evento agendado até 2020. O turismo de negócios ganhou impulso principalmente por causa da inauguração de um centro de eventos, o segundo maior do Brasil em área útil, com 76 mil metros quadrados. Ele só perde para o Anhembi, em São Paulo.

O centro de eventos de Fortaleza tem dois grandes blocos, com 36 salas capazes de abrigar eventos simultâneos. No primeiro ano de funcionamento, foram realizados no local 135 encontros de negócios, mais que o triplo do ano anterior.

O ramo lucrativo também uma fonte de receita importante no estado da Bahia. Salvador foi uma das primeiras capitais do Nordeste a se firmar como destino do turismo de negócios e eventos. A cidade sediou, em 2012, 68 eventos com abrangência nacional, para um público estimado em mais de 105 mil participantes. Só no ano passado, o segmento movimentou mais de US$ 120 milhões.

Tanto sucesso tem inspirado outras capitais nordestinas a investir. É o caso de Aracaju, onde os trabalhadores do setor de prestação de serviço estão sendo qualificados e têm crescido o investimento em infra-estrutura.

O aeroporto, por exemplo, está sendo reformado, para passar a receber 12 aeronaves. Hoje são apenas quatro. "A pista terá condições de operar com aeronaves de maior tamanho e com destino a Europa, Estados Unidos, sem escalas. Com relação ao terminal de passageiros, hoje com 10 mil metros quadrados, teremos um novo em 2016 com aproximadamente 36 mil metros quadrados”, afirma Luiz Alberto Bittencourt, superintendente da Infraero de Sergipe.