Audiência que poderia evitar greve de garis termina sem acordo, no ES


Terminou sem acordo a audiência de conciliação entre o Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza Pública (Sindilimpe-ES) e as empresas Corpus Saneamento e Vital Engenharia, realizada na tarde desta segunda-feira (23), no Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo (TRT-ES). Um acordo poderia evitar uma nova greve dos garis de Vila Velha, no Espírito Santo.

A greve dos garis começou na quinta-feira (12), motivada pela demissão de quase 200 trabalhadores. De acordo com as empresas, as demissões foram realizadas depois que a Prefeitura de Vila Velha encaminhou um ofício que informava sobre a redução de gastos com a limpeza pública, que poderia chegar até 15% ao mês.

No dia 19, o Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo (TRT-ES) determinou que  os garis retornassem às atividades de limpeza urbana. Segundo a determinação, as empresas estão proibidas de realizar novas demissões.

Durante a audiência, que durou três horas, o sindicato dos trabalhadores propôs a suspensão do envio dos avisos-prévios por 15 dias, o que não foi aceito pelas empresas. Também foi rejeitada a proposta feita pelo desembargador e vice-presidente do TRT, que conduziu a audiência, Marcello Mancilha, para que novas demissões fossem suspensas até o julgamento do dissídio.

Agora, o Sindilimpe tem o prazo de 72 horas para se manifestar. Neste período, o sindicato garantiu que não haverá paralisação. De acordo com uma das diretoras do Sindilimpe, Madalena Garcia da Silva, a categoria vai respeitar o prazo. “Vamos respeitar o prazo, porém, se algum trabalhador for avisado da demissão não vai ter jeito, vamos parar de novo, mas a população vai ser avisa com antecedência”, contou.As empresas afirmam que as demissões são consequência da redução nos contratos feita pelo Município. Já foram demitidos 126 trabalhadores, e outros 47 vão receber o aviso-prévio.

Como não houve acordo, o Ministério Público do Trabalho deverá emitir o parecer no prazo de 72 horas. Após as contestações, o processo seguirá para o relator, desembargador Gerson Novais. O julgamento será marcado e tem previsão para acontecer no dia 4 de março.

A reunião contou com a presença do Ministério Público do Trabalho e do secretário de Serviços Urbanos de Vila Velha, José Eliomar Brizolinha.



Fonte: G1 - 24/02/2015