Alerta sobre a saúde dos olhos.

Nos dias quentes de verão, quando a temperatura ultrapassa 30ºC e a umidade relativa do ar é baixa (já atingiu recentemente a marca de 20%), a população deve tomar mais cuidado para manter a saúde dos olhos. “Nessa época do ano, a radiação solar tem índices bem altos. Crianças que soltam pipa ou pessoas que olham diretamente para o sol, sem proteção, odem sofrer queimaduras na pele e na conjuntiva (membrana que recobre a área branca dos olhos)”, alerta a oftalmologista Ruth Miyuki Santo, coordenadora do Grupo de Estudos e Superfície Ocular do Hospital das Clínicas (HC). A médica informa que a falta de proteção dos olhos, durante o período e alto verão, possivelmente também acarreta danos ao cristalino (lente do olho), que perde sua transparência e ocasiona catarata, degeneração da mácula (tecido nervoso que capta a informação visual) e da retina. Em casos mais graves, a exposição ireta à radiação solar resulta em tumores oculares. “Para proteger os olhos, não basta que os óculos sejam escuros. Se não tiver proteção ultravioleta, a pessoa fica mais vulnerável. Óculos oferecidos por vendedores ambulantes podem até ter alguma proteção ultravioleta, mas não passaram por testes de qualidade”, adverte a especialista. Ela sugere adquirir óculos de sol em óticas de confiança e com o auxílio de profissionais capacitados, para ter certeza do nível de  roteção oferecido e a garantia da procedência.

Risco de conjuntivite – Quem tem problemas de visão, como miopia e astigmatismo, tem a opção de usar óculos fotossensíveis. Eles corrigem o grau e escurecem em contato com o raio ultravioleta.

Adquirido em óticas confiáveis, esse produto tem a proteção apropriada e oferece conforto ao usuário. A médica adverte sobre o risco de águas contaminadas com coliformes fecais e bactérias, no caso de quem frequenta piscinas ou toma banho de mar, nessa época do ano. Segundo a médica, devido à grande aglomeração de pessoas, também aumentam os casos de conjuntivite. “A piscina pode ser o veículo para infecção viral, por causa do contágio com pessoas ou objetos contaminados”, explica.

Para não levar bactérias ou vírus aos olhos, ela recomenda lavar as mãos com frequência e não coçar os olhos: “Na época da proliferação da gripe suína, divulgaram-se muitas campanhas sobre a importância de lavar as mãos várias vezes por dia. Acredito que essa veiculação deveria continuar.”

Quem usa lentes de contato deve manter cuidados redobrados o ano inteiro, para evitar a contaminação. No caso da lente de ontato descartável, deve-se jogá-la fora de acordo com a recomendação do fabricante e não ultrapassar o tempo de validade.

“A desinfecção deve ser feita com produto apropriado, jamais com soro fisiológico”, adverte a médica.

 Outra orientação da oftalmologista é não dormir com as lentes, pois isso dificulta a oxigenação da córnea, o que pode resultar na asfixia da membrana e aumentar a possibilidade de haver algum tipo de complicação no futuro.

A alta temperatura e a baixa umidade relativa do ar ocasionam a evaporação ou pouca produção da lágrima, líquido protetor dos olhos. “Com a falta de lubrificação, os olhos ficam vulneráveis a infecções”, afirma a médica. A lubrificação atinge níveis corretos quando há a ingestão de bastante água. Caso a sensação incômoda de ardência e areia nos olhos persistir, a doutora

Ruth recomenda procurar o oftalmologista para realizar exames detalhados, detectar os problemas e tratá-los. Dependendo do caso, o médico receita colírios ou lágrima artificial.

 Imprensa Oficial – Conteúdo Editorial