AÉCIO DIZ QUE DILMA TEM 'INTERVENTOR' NA ECONOMIA E É 'REFÉM' DO CONGRESSO

AÉCIO DIZ QUE DILMA TEM 'INTERVENTOR' NA ECONOMIA E É 'REFÉM' DO CONGRESSO

Presidete do  PSDB fez alusão ao 

ministro Levy e a Renan e Cunha.

Para ele, Dilma fez renuncia branca
 e exerce praticamente nenhum papel.

 Laís AlegrettiDo G1, em Brasília

 
Aécio Neves deu entrevista a jornalistas após reunião da executiva do PSDB (Foto: Laís Alegretti/G1)Aécio Neves deu entrevista a jornalistas após reunião da executiva do PSDB (Foto: Rafela Brito/G1)

Senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), afirmou nesta quarta-feira (8) que a presidente Dilma Rousseff introduziu a "renúncia branca" na política brasileira e que ela desempenha hoje "praticamente nenhum papel". A afirmação foi feita após encontro da Executiva Nacional do PSDB, em Brasília.

Na declaração, Aécio fez referência às ações do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e ao anúncio, ocorrido nesta terça-feira (7), de que o vice-presidente da República, Michel Temer, vai exercer o papel de articulação política do governo, que antes era executado pelo ministro Pepe Vargas, ex-comandante da pasta das Relações Institucionais.

"A presidente Dilma Rousseff introduziu algo novo na vida política do Brasil: a renúncia branca. Há hoje um interventor na economia, que pratica tudo aquilo que ela combateu ao longo de todo esse primeiro mandato. Agora delega a coordenação política ao vice-presidente da República, a quem ela desprezou durante o seu primeiro mandato", disse.


"[A presidente] já é hoje refém das presidências da Câmara e do Senado na condução da agenda legislativa e a grande questão que resta é: que papel desempenha hoje a presidente da república? Eu acredito que praticamente nenhum", afirmou.O senador também aludiu às recentes derrotas do governo Dilma no Congresso e afirmou que ela é refém das presidências da Câmara e do Senado, ocupadas por Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Renan Calheiros (PMDB-AL).

O senador, que perdeu a eleição presidencial de 2014 para Dilma Rousseff, disse que o PT se transformou na maior "fraude da história política recente do Brasil". "Nada que se disse durante a campanha eleitoral se sustenta", disse.

Ele criticou ainda a gestão da Petrobras e disse que a estatal foi sucateada e assaltada. "O prejuízo da inoperância desse governo, a irresponsabilidade que esse governo causou ao país, não se limita apenas aos prejuízos da Petrobras, de Pasadena ou da corrupção: se estende por toda a cadeia econômica", declarou.

Manifestação
O senador disse estar avaliando se participará da manifestação contra o governo prevista para o próximo dia 12. "Vou avaliar até o último momento, mas quero dizer que esse movimento é absolutamente legítimo. Nossos companheiros devem estar nas ruas, demonstrando mais uma vez sua indignação", afirmou.

Questionado sobre críticas de que a oposição não participa dos protestos, Aécio disse que o movimento não é do PSDB, e sim dos brasileiros. "Quanto mais da sociedade ele (movimento) for, mais legítimo ele será. Isso não impede que eu resolva ir. Não vou fazer anúncio prévio, não vou tomar decisão agora. Aí sim eu daria margem de especulação sobre aproveitamento do movimento".

Inflação
O senador comentou ainda a alta da inflação. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 8,13% em 12 meses. O valor está acima do teto da meta de inflação do Banco Central, que é de 6,5%. A estimativa mais recente do boletim Focus, do Banco Central, aponta que os economistas do mercado financeiro projetam que o IPCA atinja 8,2% no final deste ano.

"Os governos que têm esse viés populista, que se utilizam das massas ou da divisão de classes para se manter no poder, acabam por prejudicar, em primeiro lugar, aqueles mesmos que eles dizem defender. Os que sofrem de forma mais imediata os efeitos dessa crise que se agrava a cada dia são os que menos têm, que veem sua renda corroída pela inflação, que veem o desemprego aumentando no Brasil", disse o senador.

"Os brasileiros têm a sensação de que foram enganados pela presidente da República. Essa é a razão maior da sua fragilização permanente", completou.

Minas Gerais
Aécio rebateu o fato de o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), ter apresentado resultados de uma auditoria em relação às ações do Estado e ter dito que a situação é grave. "É um atestado de fracasso de governo que não começou. Eu costumo dizer que quem dirige olhando pelo retrovisor corre o risco de bater, e bater forte. No caso do PT, de ter perda total. Então acho que é uma grande encenação que será contestada em Minas Gerais", disse.