A um mês da Copa, Brasil ainda não está preparado

COPA DO MUNDO/FIFA - 

Artigo publicado em 11 de Maio de 2014 - Atualizado em 12 de Maio de 2014

 

Vista da Arena da Baixada, em Curitiba, no dia 30 de abril de 2014. As obras para a Copa inda não estão concluídas.

REUTERS/Roldofo Buhrer/Files

Cíntia Cardoso

A contagem regressiva para a Copa do Mundo se acelera. A partir desta segunda-feira (12), faltará apenas um mês para a abertura do evento esportivo mais aguardado do planeta. Mas, às vésperas do início do Mundial, detalhes finais dos estádios e as infraestruturas essenciais como transportes e eletricidade ainda representam preocupação.

Em um mês, o Brasil vai entrar em campo na Arena Corinthians, o Itaquerão, contra a Croácia. Mas, até lá, as obras para sediar o evento, inclusive no próprio palco da estreia, terão que estar concluídas. Na quinta-feira passada, a presidente Dilma Rousseff visitou as instalações do estádio paulista. Sem dar entrevistas, a presidente se limitou a dizer que o estádio estava “maravilhoso”.

Mas, na realidade, o primeiro jogo oficial, que será o primeiro teste do estádio, acontecerá apenas no dia 18 de maio. A expectativa é que pelo menos uma parte das arquibancadas provisórias já esteja instalada. A FIFA espera que, no dia da abertura da Copa, o estádio esteja com a capacidade total de 68 mil lugares.

Cuiabá

A Arena do Pantanal, em Cuiabá, e a Arena da Baixada, em Curitiba, também deram dor de cabeça para a organização do evento. No estádio no Paraná, também visitado pela presidente na sexta-feira passada, cerca de 10 mil cadeiras ainda precisam ser instaladas e a construção do prédio anexo para a imprensa ainda não foi concluída. De acordo com o site oficial Portal da Copa, “Em cerca de um ano e meio de reforma, passaram pela obra 5.532 trabalhadores, com 1.600 operários no pico da obra. O investimento total, segundo o Atlético-PR, é de R$ 360 milhões, sendo R$ 247,5 milhões de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).”

No caso do estádio de Cuiabá, o evento inaugural será apenas no dia 20 de maio. Segundo a FIFA, a entidade vai receber os estádios para um “período de utilização exclusiva” somente a partir do dia 21 de maio. Inicialmente, a data prevista era dezembro do ano passado. Na semana passada, um operário morreu eletrocutado quando instalava a fiação elétrica na Arena do Pantanal. Esse foi o oitavo acidente fatal em obras de estádios para a Copa.

Eletricidade

Um relatório da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), publicado em abril passado, revelou que o órgão regulador identificou atrasos nas obras de metade das 12 cidades-sede da Copa do Mundo. O Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, foi apontado como um dos mais problemáticos. Na última quarta-feira (7) porém, a Secretaria de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia divulgou nota minimizando os riscos de problemas no abastecimento elétrico. De acordo com o texto, “está assegurada a qualidade, a confiabilidade e a segurança do atendimento em todas as cidades-sede do evento".

Inferno

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, disse que a entidade "viveu um inferno" para organizar a Copa do Mundo do Brasil. Ele criticou as dificuldades de negociação com as inúmeras instâncias do governo. Valcke também afirmou que não foi a Fifa e sim o Brasil que decidiu organizar o Mundial em 12 cidades".