A cratera se abriu no dia 17 de janeiro e um caminhão que transportava leite, dois carros e uma moto caíram.

A cratera se abriu no dia 17 de janeiro e um caminhão que transportava leite, dois carros e uma moto caíram.

Dois meses depois de uma cratera se abrir no acesso à rodovia Prefeito José Bassil Dower (SP-421) em Borá (SP) começaram as obras de recuperação da via. Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem, Aa restauração do aterro e implantação de pavimento asfáltico estão sendo realizadas, mas ainda não há prazo para a entrega da pista.

A cratera se abriu no dia 17 de janeiro e um caminhão que transportava leite, dois carros e uma moto caíram. Seis pessoas se envolveram no acidente. Um jovem de 25 anos morreu e três pessoas ficaram feridas.

Segundo a assessoria do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), as estruturas de concreto que formam a galeria sob a pista já foram instaladas. Essa estrutura aguarda secagem total para possibilitar a passagem da água e assegurar a firmeza do terreno.

No início desta semana será concluído o reaterro e a pista deverá receber um revestimento para proporcionar maior segurança e trafegabilidade no local. Concluída essa fase, será feita uma nova avaliação geral para então programar a fase final de pavimentação.

A estrada continua interditada e, além desse desvio de 1,5 quilômetro, outro caminho que os moradores precisam pegar para conseguir chegar à Paraguaçu Paulista é quase uma hora viajando pela estrada de terra. São quase 40 quilômetros de desvio aberto através das fazendas, beirando os canaviais.

Tem muitos buracos e pouca sinalização. Quando chove tudo vira barro. A Cecília Macedo de Amorim e mãe dela, de 85 anos, precisaram pegar a estrada três vezes para chegar ao médico. "É complicado, é longo, é uma hora a mais do que a gente fazia, porque a estrada tem muito morro, buraco, e ela sofre porque o carro balança e a idade que ela tem é muito sofrido para ela", reclama.

 Os motoristas que precisam seguir de Paraguaçu Paulista para Borá terão de fazer um desvio que aumenta o percurso em mais de 100 quilômetros.

Neste novo trajeto, os motoristas terão de seguir de Borá a Tupã, depois passarão por Quatá e chegarão a Paraguaçu Paulista. A distância entre as cidades passou de 26 para 133 quilômetros.

 

De acordo com o Corpo de Bombeiros.

 A correnteza destruiu as manilhas, que canalizavam a água de um córrego, levou a estrutura da estrada, terra e asfalto e, em seguida, a cratera se abriu. 

        

 

Máquinas trabalham no local  foi aberto u caminho , uma espécie de rampa para conseguir retirar os veículos do buraco. A prefeitura de Paraguaçu Paulista disse que equipes da Secretaria de Obras já estiveram no local para avaliar os estragos, trablham para acelerar os trabalhos para reconstrução da estrada.

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) informou que elaborou e aprovou um projeto emergencial para o restabelecimento do tráfego. O projeto aponta a necessidade da reconstrução da galeria de drenagem, restauração do aterro com 10 metros de altura e 30 metros de extensão, além da implantação de pavimento asfáltico. Os serviços descritos foram orçados em aproximadamente R$ 150 mil. Contudo, os trabalhos no local somente poderão ser iniciados após o período de chuvas, quando haverá a estabilização do solo, condição necessária para execução das obras.